Última hora

Última hora

Planeta dos Macacos: A Revolta

Em leitura:

Planeta dos Macacos: A Revolta

Tamanho do texto Aa Aa

Uma década depois do vírus que quase aniquilou a espécie humana, uma nação emergente de macacos evoluídos geneticamente é ameaçada por um grupo de serem humanos que sobreviveu à pandemia.

A paz podre acaba por ser quebrada. Homens e macacos iniciam um combate que irá determinar quem será a espécie dominante na terra.

‘Planeta dos Macacos: A Revolta é um remake do quarto filme da saga – A Conquista do Planeta dos Macacos, que estreou em 1972.

Os efeitos especiais foram atualizados com as tecnologias atuais num filme feito a pensar nas grandes salas de cinema, lançado em período de férias e que explora as similitudes nas lutas com que se debatem macacos e humanos, segundo o realizador, Matt Reeves:

“A semelhança entre os problemas dos macacos e dos humanos é que estão ambos às voltas com a sua própria natureza estão ambos a lutar com os seus impulsos animais, o seu lado violento. A única parte deles que é capaz de empatia, de formar ligações é verdadeiramente o seu lado humano”.

Os britânicos Andy Serkis e Gary Oldman são respetivamente Caesar e Dreyfus, os chefes das tribos de macacos e de humanos.

“O filme é todo sobre empatia e a compreensão do outro. Ceasar é de certa forma um ‘outsider’ nos dois mundos, nos universos das duas espécies. É colocado naquela posição em que tem de tentar evitar o conflito. Acho que é um filme para o tempo em que vivemos. Penso que é contra qualquer forma de fundamentalismo ou absolutismo”, refere Serkis.

“É ótimo fazer um filme em que não estamos a combater contra robôs ou dinossauros, em que nos sentimos tão próximo (do nosso adversário)”, acrescenta Oldman.

Entre originais e remakes, este é o oitavo filme em torno da saga Planeta dos Macacos.

Planeta dos Macacos: A Revolta, estreia em Portugal a 17 de julho.