Última hora

Última hora

Primeira sessão do "novo" Parlamento Europeu

Em leitura:

Primeira sessão do "novo" Parlamento Europeu

Tamanho do texto Aa Aa

O ‘novo’ Parlamento Europeu, saído das eleições de 25 de maio, começa a trabalhar esta semana. A sessão constitutiva decorre entre terça e quinta-feira em Estrasburgo, mas esta segunda-feira foi hasteada a bandeira da União Europeia no Parlamento, numa cerimónia que marca o início dos trabalhos.

Os 751 eurodeputados, dos quais 21 são portugueses, vão ter como primeira tarefa a eleição do presidente do Parlamento Europeu.

O cargo deve voltar a ser ocupado pelo alemão Martin Schulz, tendo em conta o tradicional acordo já estabelecido entre as duas maiores famílias políticas, o Partido Popular Europeu (PPE) e Socialistas Europeus (S&D).
Mas há outros candidatos: o espanhol Pablo Iglesias, do movimento “Podemos”, inserido na Esquerda Europeia, o conservador britânico Sajjad Karim e a austríaca Ulrike Lunacek, dos Verdes.

O processo de eleição do presidente poderá ter até quatro voltas, e pela eleição dos 14 vice-presidentes do Parlamento Europeu e dos cinco ‘quaestors’, principais responsáveis pelas questões administrativas e financeiras da instituição.

Na primeira sessão vão ainda decorrer três grandes debates: um deles sobre sobre os resultados do Conselho Europeu da semana passada (no qual foi confirmado o nome de Jean-Claude Juncker para a Comissão Europeia). Neste debate vai estar o ainda presidente do executivo comunitário, Durão Barroso. Será feito um de balanço da presidência grega da União Europeia no primeiro semestre do ano. Além disso haverá um debate de apresentação da presidência rotativa de Itália no segundo semestre.

Neste “novo” Parlamento Europeu vão então estar 21 portugueses, repartidos por quatro famílias políticas: os oito eleitos pelo PS integrarão o grupo dos Socialistas Europeus (o segundo maior grupo, para já com 191 deputados), os sete eleitos da Aliança Portugal, coligação formada por PSD e CDS-PP, fazem parte do PPE, que se mantém como a principal força (221 deputados). Os três deputados da CDU e a deputada eleita pelo Bloco de Esquerda estão junto na bancada da Esquerda Unitária, e os dois deputados eleitos pelo Movimento Partido da Terra (MPT) vão integrar a bancada dos Liberais.

Dentro de duas semanas, na segunda sessão plenária em Estrasburgo vai decorrer a eleição do futuro presidente da Comissão Europeia: o nome do luxemburguês Jean-Claude Juncker, designado na passada sexta-feira pelos chefes de Estado e de Governo da União Europeia vai a votos e tem de conquistar uma maioria.