Última hora

Última hora

Israel exige fim de acordo de paz interpalestiniano após morte de três estudantes

Em leitura:

Israel exige fim de acordo de paz interpalestiniano após morte de três estudantes

Tamanho do texto Aa Aa

Israel lançou esta noite mais de 30 raides aéreos sobre a Faixa de Gaza, horas depois do primeiro-ministro Benjamin Nethanyahu ter prometido vingar-se do Hamas pela morte de três estudantes israelitas.

Os ataques sobre campos de treino do movimento islamita não provocaram vítimas, segundo testemunhas citadas pela agência France Presse.

O exército israelita demoliu igualmente pelo menos uma das casas de um dos dois supostos assassinos dos estudantes, perto da zona onde foram descobertos os cadáveres dos três jovens, na segunda-feira, em Hebron, na Cisjordânia.

Para o porta-voz do governo de Telavive, “esta atrocidade é o resultado direto do pacto entre o presidente palestiniano e os terroristas do Hamas, um pacto que permitiu que o grupo se restabelecesse na Cisjordânia. O presidente Abbas dever anular imediatemente este pacto com o Hamas”, afirmou Marc Regev.

O presidente palestiniano convocou uma reunião de emergência do governo para esta terça-feira para analisar a situação, que poderia pôr em risco o atual acordo de paz com o Hamas – exigido pela comunidade internacional como condição para relançar o processo de paz.

O Hamas, que rejeita qualquer responsabilidade na morte dos três jovens, desaparecidos desde 12 de junho, prometeu retaliar qualquer ofensiva israelita em larga escala.

Pelo menos três rockets foram lançados da faixa de Gaza, esta noite, sem provocarem vítimas israelitas.

Em Telavive, centenas de pessoas juntaram-se esta noite numa vigília em memória dos três jovens que, segundo responsáveis israelitas teriam sido mortos a tiro pouco após terem desaparecido há três semanas.

Os corpos dos três jovens foram descobertos, na segunda-feira, a norte de Hebron, perto do colonato judaico de Karmei Tzur. Os cadáveres encontrar-se-iam dissimulados sob pedras perto da estrada onde os jovens teriam viajado à boleia, no dia 12 de junho, antes de desaparecerem.