Última hora

Última hora

Mundial 2014: Vitória alemã com festa em Berlim e tristeza em Lyon

Em leitura:

Mundial 2014: Vitória alemã com festa em Berlim e tristeza em Lyon

Tamanho do texto Aa Aa

A Alemanha venceu, esta sexta-feira, a França, por 1-0, naquele que era o único confronto europeu dos quartos-de-final do Mundial de futebol, a decorrer no Brasil, e que se completam este sábado com os dois jogos que ainda restam: o Argentina-Bélgica e o Holanda-Costa Rica. O triunfo germânico foi tirado a ferros e fica a dever-se, em grande parte, à exibição perfeita do guarda-redes Manuel Neuer. Na outra partida do dia, o Brasil venceu também pela margem mínima (2-1) a Colômbia e será o adversário da Alemanha nas meias-finais.

Quando soou o apito final, esta sexta-feira, no Maracanã, no Rio de Janeiro, rebentou a festa em Berlim. A Alemanha tinha acabado de vencer a França – outra vez – e vai jogar as meias-finais do Mundial diante do Brasil. Desde 1958, no Mundial da Suécia, que os “galos” não vencem as “águias” numa prova oficial – na altura, os germânicos denominavam-se República Federal da Alemanha.

Rivais históricos, um jogo entre alemães e franceses é sempre um pouco mais do que mero futebol e isso sentiu-se na “11 Freunde Arena”, onde o correspondente da euronews em Berlim acompanhou as incidências da partida e as reações dos adeptos. No final, a alegria reinava e a cerveja, como é natural entre os alemães, ajudou à celebração.

“Foi um pouco à tira, mas nós merecemos esta vitória”, disse-nos um adepto. Um outro, mais efusivo e a segurar uma baguete que simbolizava um francês, considerou o triunfo “excelente”: “Um a zero chega, estamos apurados para as meias-finais.”


O golo de Mats Hummels aconteceu logo aos 13 minutos. Houve uma explosão de emoções. Depois foi preciso sofrer até poderem voltar a sonhar com a reconquista do título mundial que lhes foge desde a vitória no Itália’90, como nos conta o nosso correspondente, Sebastian Saam: “No final, foi um jogo equilibrado que terminou com a vitória mínima. Os adeptos não querem saber. Confiam na equipa e agora acreditam ir além das meias-finais. Quem sabe, voltarem mesmo a ser campeões do Mundo.”


Álcool para esquecer em Lyon
Em França, os sentimentos foram, claro, diferentes. A confiança inicial foi esbatida logo após o golo alemão. Os cerca de dez mil adeptos que assistiram ao jogo na praça de Bellecour, em Lyon, ficaram apreensivos.

Os “galos” até reagiram bem, com Benzema, Valbuena e companhia a criarem boas chances de marcar. Mas Manuel Neuer, o guarda-redes alemão, segurou a vitória, nomeadamente com uma enorme defesa nos derradeiros minutos, num remate de Benzema. E a desilusão abateu-se sobre os franceses

“Tivemos algumas chances, mas eles têm um grande guarda-redes. É, aliás, o melhor do Mundo. Basta ver o que ele fez”, destacou um jovem adepto gaulês, acrescentando, porém, que “não há qualquer razão para baixar a cabeça” pelo que a equipa fez no Brasil. Uma rapariga revelou que ia afogar as mágoas numa garrafa: “Estamos muito tristes. Perdemos e agora vamos esquecer isto a beber álcool.”

O nosso enviado especial à praça de Bellecour, aqui na cidade-sede da euronews, Vincent Ménard, começou por recordar “a fórmula de Gary Lineker”: “No futebol, são onze contra onze e, no fim, ganha a Alemanha”. O nosso jornalista da equipa de desporto garante que “os adeptos da França, agora, já sonham com a vingança no Euro 2016”, um torneio que vai ser disputado em território francês daqui a dois anos.