Última hora

Última hora

Sensor molecular de bolso analisa composição química de qualquer objeto

Em leitura:

Sensor molecular de bolso analisa composição química de qualquer objeto

Tamanho do texto Aa Aa

Uma empresa israelita concebeu um pequeno sensor molecular que permite conhecer a composição química de qualquer objeto ou produto.

O consumidor pode saber, por exemplo, o número de calorias de um pedaço de queijo ou quando é que um fruto fica maduro.

Os investigadores recorreram à Espetroscopia de infravermelho. O sistema baseia-se na observação de que as ligações químicas das substâncias possuem frequências específicas, que correspondem a níveis de energia da molécula.

As frequências de vibração são determinadas pela forma da molécula, pelos níveis de energia e pela massa dos átomos.

A tecnologia criada por uma empresa de Telavive chama-se Scio ( que significa saber em latim).

“O Scio baseia-se na Espetroscopia de infravermelho. A luz projetada no material cria uma vibração dentro das moléculas e essa vibração absorve parte da luz. Nós detetamos o reflexo da luz que depois cria uma impressão digital que está relacionado com a química do material. Podemos estabelecer uma correlação entre o que estamos a medir e a química e enviar
essa informação para o telemóvel”, explicou Dror Sharon é um dos responsáveis pelo desenvolvimento da tecnologia.

Uma farmácia em Jerusalém começou a testar a nova tecnologia para identificar medicamentos sem etiqueta. A tecnologia funciona graças a uma enorme base de dados de materiais. No futuro, a empresa espera expandir essa base de dados graças às informações fornecidas pelos próprios consumidores.

“Cada utilizador pode fazer um scan do que quiser e obter mais informação sobre os produtos. E se se tratar de um material que não se encontra na nossa base de dados, eles podem introduzi-lo. E dessa forma vamos criar rapidamente a maior base de dados de materiais do mundo”, acrescentou o responsável.

A tecnologia baseada na Espectroscopia de infravermelhos é largamente utilizada na indústria e na investigação. A empresa de Telavive pretende comercializar em 2015 um aparelho de bolso por cerca de 200 euros.