Última hora

Última hora

Ofensiva de Israel mata 80 palestinianos e ONU reúne-se de emergência

Em leitura:

Ofensiva de Israel mata 80 palestinianos e ONU reúne-se de emergência

Tamanho do texto Aa Aa

Israel continua a intensificar a operação militar junto à fronteira com a Faixa de Gaza e isto num dia em que o Conselho de Segurança das Nações Unidas (ONU) se reúne de emergência para debater o escalar da violência no Médio Oriente. Desde que Israel deu início segunda-feira à “Operação Barreira de Proteção”, já morreram cerca de 80 palestinianos, em resultado dos bombardeamentos israelitas na Faixa da Gaza.

Uma resposta – alega o executivo de Benjamin Netanhyahu – aos cerca de 300 projéteis balísticos disparados nos últimos dias pelas forças armadas do Hamas para território israelita. Nomeadamente contra Telavive.

Em Gaza, muitos edifícios foram atingidos e destruídos por mísseis israelitas disparados a partir de aviões e de navios estacionados ao largo do enclave islâmico. Um veículo que transportava alegadamente três militantes jihadistas foi, igualmente, atingido pelos israelitas no centro da capital da Faixa controlada pela organização islâmica Hamas. Os três ocupantes da viatura morreram.

Numa das habitações atingidas, terão morrido, entretanto, oito membros de uma família. De acordo com as autoridades palestinianas, cinco deles eram crianças. O ataque que vitimou esta família terá ocorrido já neste terceiro dia da ofensiva das Forças de Defesa de Israel.

A Comunidade Internacional está cada vez mais preocupada com o rápido aumento do número de cadáveres nas morgues de Gaza e a reunião desta quinta-feira do Conselho de Segurança da ONU vai tentar criar uma ponte de entendimento que permita a pacificação da região.

Mais de meio milhar de palestinianos resultaram, entretanto, feridos destes três dias de ataques israelitas à Faixa de Gaza. O agravar da situação – originada pela morte em junho de três estudantes israelitas, um adolescente palestiniano e as respetivas represálias – já levou o Egito a abrir a fronteira de Rafah com a Faixa de Gaza para permitir que alguns do feridos ali possam procurar assistência médica.