Última hora

Última hora

"Máfia dos bilhetes" para o Mundial: Ray Whelan anda a monte

Em leitura:

"Máfia dos bilhetes" para o Mundial: Ray Whelan anda a monte

Tamanho do texto Aa Aa

“Saiu à pressa pela porta dos fundos do hotel”. É assim que a polícia brasileira descreve as ações de Ray Whelan. O britânico, diretor da Match Services, é, alegadamente, um dos cabecilhas de uma rede de venda ilegal de bilhetes para o Mundial do Brasil e, agora, também classificado de “fugitivo” pelas autoridades.

A polícia brasileira foi apanhada de surpresa quando chegou ao Copacabana Palace, no Rio de Janeiro, para prender Whelan:

“Não é comum sair pela porta dos funcionários. Sai-se pela porta da frente. Há uma hora atrás, o quarto dele estava com a televisão ligada, com tudo certo, como se estivesse lá – os chinelos estavam lá – demonstrando que ele saiu muito rapidamente” do quarto, explicou Fábio Barucke, o delegado responsável pela investigação deste caso.

O diretor da Match Services, empresa que, nomeadamente, comercializa os pacotes VIP do Mundial, já tinha sido detido no dia 7 e colocado em liberdade sob fiança um dia depois. Whelan, de 64 anos, é uma das 12 pessoas acusadas de envolvimento na máfia da venda ilegal de bilhetes para os jogos do mundial.