Última hora

Última hora

Iraque: forças curdas ocupam poços de petróleo em Kirkuk

Em leitura:

Iraque: forças curdas ocupam poços de petróleo em Kirkuk

Tamanho do texto Aa Aa

O conflito no Iraque está a inflamar a tensão entre o governo autónomo curdo e o executivo de Bagdade, aumentando o risco de fragmentação do país.

Dois poços de petróleo da zona de Kirkuk estão sob controlo das forças curdas, desde sexta-feira, quando o governo central é acusado de ter desertado a região face à ofensiva islamita das últimas semanas.

A ocupação da zona petrolífera foi condenada ontem por Bagdade como uma “violação da constituição e uma ameaça à união nacional”.

O responsável diplomático do executivo curdo justifica a ação como uma forma de colmatar o défice orçamental do território, depois de Bagdade ter congelado, em Janeiro, o orçamento destinado à região.

“Nós vamos continuar a explorar este petróleo até que Bagdade responda às nossas exigências”, afirma Falah Mustafa Bakkir.

Com uma produção de 195 mil barris de petróleo por dia, os dois poços , de Bai Hassan e Makhmur, encontram-se fora do território autónomo curdo, embora estejam ligados aos oleodutos controlados pelo executivo de Erbil (capital da região autónoma do curdistão iraquiano).

Em paralelo, o governo curdo afirma que a ocupação dos poços petrolíferos é também uma forma de evitar um “ato de sabotagem” sobre as instalações por parte de Bagdade. Na quinta-feira, a aviação iraquiana tinha bombardeado uma refinaria, nos arredores de Mossul, para evitar que a instalação caísse nas mãos dos rebeldes sunitas.

A “guerra de palavras” entre Erbil e Bagdade está distante da ambicionada “união nacional” defendida pelo primeiro-ministro iraquiano Nuri Al-Maliki, quando a progressão dos combatentes do grupo radical sunita “Estado Islâmico” inflama já as relações entre as comunidades xiitas e sunitas do país.

Vários representantes políticos curdos tinham abandonado o governo central, esta semana, em protesto contra as acusações de Bagdade de que estariam a albergar grupos extremistas no território.

Graças à ação dos Peshmerga – os combatentes do exército curdo – a região autónoma é a única do Iraque a resistir ao avanço dos rebeldes, o que permitiu aos curdos ocupar zonas reivindicadas há muito mas fora das suas fronteiras oficiais.

Bagdade acusa o executivo curdo de estar a aproveitar-se da situação para expandir o seu território, reforçando o controlo sobre as zonas petrolíferas, com vista a uma eventual independência.