Última hora

Última hora

Balanço do Mundial foi bom para o turismo; o resto vê-se depois

Em leitura:

Balanço do Mundial foi bom para o turismo; o resto vê-se depois

Tamanho do texto Aa Aa

O presidente da FIFA, Joseph Blatter, perguntou no fim do Mundial:
“Onde se passa esse levantamento social de que se falou?
Tenho de cumprimentar, como já disse antes, tenho de felicitar a população do Brasil”,
Os brasileiros não dão qualquer importância aos comentários da FIFA, desde que, antes do Mundial, o site da Federação chocou os brasileiros com os 10 conselhos aos turistas e adeptos do Mundial.
À porta do local onde decorreu a conferência de imprensa, os protestos continuaram.
É verdade que as maiores manifestações foram organizadas antes do Mundial, o que assustou bastante os organizadores e as autoridades acalmaram-se bastante.
Mas, na véspera do evento, à escala planetária, ainda havia quem sentisse suores frios. Os estádios não estavam todos prontos e, apesar de estar tudo a postos para acolher os turistas, o clima social e o aumento do custo de vida, fizeram temer o pior.
Na realidade, o Brasil ultrapassou as expetativas: 10 milhões de passageiros, com 203 nacionalidades diferentes, circularam nos 20 principais aeroportos do Brasil. Quase 700 mil turistas estrangeiros entraram no Brasil, num mês, 132% a mais do que no mesmo período de 2013. Muito mais do que na África do Sul, em 2010. No Rio de Janeiro, os hoteis registaram uma ocupação de 100%.
No setor turístico o balanço é bastante positivo. Mas não se pode esquecer que houve pelos menos, oito operários mortos na construção dos estádios e no desmoronamento de um viaduto, símbolo dos atrasos na construção das infraestruturas.
O clima social apaziguou-se entre o primeiro e o último dia do Mundial de Futebol, o que se deveu também a uma segurança denunciada como excessiva. No total, 100 mil polícias e 50 militares foram mobilizados em todo o país. O dispositivo terá custado 628 milhões de euros.
Os brasileiros prometem regressar à rua.