Última hora

Última hora

Centenário da I Guerra Mundial comemora-se na Bastilha

Em leitura:

Centenário da I Guerra Mundial comemora-se na Bastilha

Tamanho do texto Aa Aa

Para celebrar a Tomada da Bastilha, em 2014, a França mobilizou toda a organização no sentido de comemorar, com a maior dignidade, o centenário da I Guerra Mundial ou I Grande Guerra – como ficou conhecida depois da II.

Para esta comemoração do Centenário, foram convidadas delegações de 80 países, nomeadamente Portugal.

A Primeira Guerra Mundial foi uma guerra global centrada na Europa, que começou em 28 de julho de 1914 e durou até 11 de novembro de 1918. O conflito envolveu as grandes potências de todo o mundo, que se organizaram em duas alianças opostas: os Aliados (com base na Tríplice Entente entre Reino Unido, França e Império Russo) e os Impérios Centrais (originalmente Tríplice Aliança entre Império Alemão, Áustria-Hungria e Itália; mas como o império austro-húngaro tinha tomado a ofensiva contra o acordo, a Itália não entrou em guerra). Estas alianças reorganizaram-se (a Itália lutou pelos Aliados) e expandiram-se em mais nações que entraram na guerra. Em última análise, mais de 70 milhões de militares, incluindo 60 milhões de europeus, foram mobilizados em uma das maiores guerras da história. Mais de 9 milhões de combatentes foram mortos, em grande parte por causa de avanços tecnológicos que determinaram um crescimento enorme na letalidade de armas, mas sem melhorias correspondentes em proteção ou mobilidade. Foi o sexto conflito mais mortal na história da humanidade e que posteriormente abriu caminho para várias mudanças políticas, como revoluções em muitas das nações envolvidas.

Portugal, antes de entrar na guerra na Europa, já lutava com os alemães em África; em 1916, abateu os navios alemãs na costa portuguesa e, no ano seguinte, enviou 200 mil hoimens no Corpo Expedicionário para Flandres, que foram depois combater em França.