Última hora

Última hora

Mundial 2014: A primeira vez de Berlim, a receção aos "Weltmeister" e os White Stripes

Em leitura:

Mundial 2014: A primeira vez de Berlim, a receção aos "Weltmeister" e os White Stripes

Tamanho do texto Aa Aa

Já estão em casa os campeões do mundo de futebol. Os “weltmeister”, de acordo com o próprio idioma dos comandados de Joachim Löw. Depois de uma longa viagem de cerca de 11 horas desde o Rio de Janeiro, – de onde saíram com duas horas de atraso devido a um pequeno e insignificante incidente ainda na pista do aeroporto Galeão – a seleção da Alemanha foi recebida em Berlim por quase meio milhão de pessoas.



Alguns milhares esperaram os heróis logo no aeroporto de Tegel, na capital germânica. Outros – a maior parte – aguardavam junto às míticas Portas de Brandeburgo, naquela que foi a primeira vez que Berlim celebrou a conquista pela Alemanha de um título mundial de futebol.


Os outros três títulos alemães foram conseguidos ainda antes da reunificação, pela antiga República Federal da Alemanha, e celebrados de forma oficial em Munique, onde, esta terça-feira, é ainda esperada parte da “mannshaftt” – os jogadores que são de Munique, claro, e em particular os do Bayern – para ali prosseguirem com as celebrações.


Será a quarta vez que a capital da Baviera celebra um título mundial de seleções depois dos da Suíça’54, Alemanha’74 e Itália’90 – este último conquistado cerca de dois meses antes do último jogo oficial da seleção da República Democrática da Alemanha (RDA): um jogo contra a Bélgica que deveria ter aberto a fase de qualificação para o Euro 2012, mas que acabou por ser um particular e o canto do cisne da equipa de leste.

A festa oficial, desta vez, contudo, aconteceu em Berlim, a capital da Alemanha reunificada desde 3 de outubro de 1990. Ao longo dos últimos dias. desde a final de domingo, a Federação alemã (DFB) e a grande maioria dos jogadores da “mannschafft” foram publicando através das redes sociais várias fotografias e pequenos vídeos que foram registando. Alguns desses registos podem ser vistos nesta página.


Junto às Portas de Brandeburgo foi colocada uma bandeira gigante da Alemanha e um palco por onde desfilou toda a comitiva, com particular destaque, claro, para os jogadores e com uma ovação especial para Mario Götze, o autor do único golo da final.


Não há ainda informação sobre os litros de cerveja consumidos em Berlim esta terça-feira – terão sido largos milhares, certamente. O que se pôde ouvir, mais uma vez, foi o entoar de “Seven Nation Army”, tema do grupo rock norte-americano Withe Stripes. Tal como nas bancadas do Maracanã, na final de domingo, este voltou a ser o ritmo principal entoado em uníssono por jogadores e adeptos.