Última hora

Em leitura:

Teste cerebral para diagnosticar autismo


Sci-tech

Teste cerebral para diagnosticar autismo

Cientistas britânicos desenvolveram um teste para diagnosticar o autismo em bebés de dez meses.

Normalmente, a doença é diagnosticada por volta dos dois anos de idade com base em testes de comportamento.

O sistema concebido pela equipa da Universidade de Londres baseia-se num exame da atividade cerebral dos bebés.

O teste passa por mostrar às crianças imagens de rostos, nalgumas imagens a pessoa olha para a criança, noutras desvia o olhar. Sensores colocados no crânio medem a atividade do cérebro.

Escolhemos um dos mais importantes objetos da vida das crianças, os rostos. Elas habituam-se rapidamente à cara da mãe e ao olhar da mãe, o olhar é muito importante. Quando alguém olha para elas, significa que querem interagir. Quando alguém olha para outro lado, isso pode ser uma indicação para olhar para outro lado, algo que está no local em que se encontra. Uma criança que não vai sofrer de autismo faz a diferença entre olhar para elas e olhar para outro lado, porque têm dois significados diferentes. O que vemos nas crianças que vão desenvolver autismo é que não vêm essa diferença”, disse a investigadora Teodora Glica, diretora do projeto de investigação.

Entre as crianças de seis meses submetidas aos testes e que viriam a sofrer de autismo, os cientistas notaram uma fraca atividade cerebral.

A Federação Portuguesa de autismo define a doença como uma perturbação global do desenvolvimento infantil que evolui com a idade.

O bebé com autismo apresenta determinadas características diferentes dos outros bebés. Pode mostrar indiferença pelas pessoas e pelo ambiente, pode ter medo de objetos. Por vezes tem problemas de alimentação e de sono. Pode chorar muito sem razão aparente ou, pelo contrário, pode nunca chorar.”

Estudos recentes revelam que os pesticidas que hoje em dia se encontram em toda a cadeia alimentar podem aumentar a probabilidade de uma criança sofrer de autismo.

Escolhas do editor

Artigo seguinte
Investigadores apostam em teste para detetar Alzheimer mais cedo

Sci-tech

Investigadores apostam em teste para detetar Alzheimer mais cedo