Última hora

Última hora

Observadores da OSCE em Donetsk

Em leitura:

Observadores da OSCE em Donetsk

Tamanho do texto Aa Aa

Um grupo de 21 observadores da Organização para a Segurança e Cooperação na Europa (OSCE) esteve sexta-feira à tarde durante 75 minutos num dos locais da queda do avião da Malaysia Airlines.

Segundo o embaixador suíço na OSCE, Thomas Greminger, cujo país preside este ano àquele organismo, “grupos locais, ilegais e armados” impediram o pleno acesso dos observadores ao local, disparando várias vezes para o ar.

Michael Bociurkiw, o porta-voz da equipa de observadores disse à chegada ao local:

“Foi-nos prometido acesso e tivemos, apesar de ter mos de trabalhar muito rapidamente para ver o que se passa em termos de segurança do perímetro, do estado dos corpos, dos destroços e também das caixas negras. O nosso relatório, que faremos esta noite, ajudará os altos responsáveis a decidir o que se fará a seguir”.

Depois da visita, os observadores foram levados “por razões de segurança” para Donetsk, estando previsto regressarem este sábado, “com segurança”, ao local.

Entretanto, um conselheiro do ministro do Interior da Ucrânia deixou no ar mais uma suspeita sobre os rebeldes.

“Eles levaram os cartões de crédito dos passageiros e ao intercetarmos as suas conversas ouvimos que pretendem levantar dinheiro com esses cartões na Federação Russa. Pedimos aos familiares das vítimas para bloquear esses cartões”, afirmou Anton Geraschenko.

A OSCE aprovou sexta-feira uma resolução de consenso entre todos os 57 países da organização, incluindo a Rússia e a Ucrânia, onde pede que não se criem obstáculos às investigações do acidente.