Última hora

Última hora

Gaza: "As crianças perderam a hipótese de um futuro"

Em leitura:

Gaza: "As crianças perderam a hipótese de um futuro"

Tamanho do texto Aa Aa

Em Gaza, a enviada especial da euronews, Valérie Gauriat, fala em entrevista sobre os últimos desenvolvimentos, sobretudo no que diz respeito ao contexto que se vive nos hospitais.

euronews: Após duas semanas de ofensivas, a situação nos hospitais agrava-se, ainda mais porque um deles foi atingido durante um bombardeamento…

Valérie Gauriat: Sim, trata-se do hospital de al-Aqsa, que se localiza no centro da Faixa de Gaza. É um hospital muito importante, porque serve, pelo menos, cinco campos de refugiados, ou seja, dezenas de milhares de pessoas. Foi atingida uma parte do edifício, nomeadamente a área onde se encontra a sala de operações. Hoje contaram-nos que os sobreviventes foram reagrupados na entrada do hospital. De resto, parece que toda a zona em torno do hospital voltou a ser alvo de tiros de morteiro…

euronews: Qual é a situação dos refugiados? Sabemos que há mais de 100 mil deslocados nos edifícios da ONU

VG: É verdade que os edifícios da ONU estão saturados. Os refugiados ocuparam também várias escolas. Já não há mais espaço em lado nenhum. Houve muita gente que foi procurar abrigo nos prédios no centro da cidade. Mas lá eles não estão em segurança. Esta manhã filmámos um edifício que foi arrasado no centro de Gaza. Várias pessoas foram mortas. Algumas famílias encontraram refúgio nos hóteis de Gaza. Nós próprios encontrámos algumas delas ontem à noite no nosso hotel. Há famílias inteiras a partilhar um só quarto.

euronews: Conseguiram falar com alguns deles?

VG: Sim, as pessoas partilham prontamente o seu desespero. Uma mulher contava-m e que a sua filha de 6 anos já tinha passado por três bombardeamentos, três fugas. Esta mulher trabalhava na área da Educação e dizia-me que era impossível as crianças crescerem desta maneira, que tinham perdido a hipótese de um futuro, que esta situação tem de terminar porque nada disto faz sentido.