Última hora

Última hora

MH17: Corpos de 282 das 298 vítimas do voo malaio a caminho da Holanda

Em leitura:

MH17: Corpos de 282 das 298 vítimas do voo malaio a caminho da Holanda

Tamanho do texto Aa Aa

Os restos mortais das 282 vítimas já recuperadas do trágico voo MH17, que se despenhou quinta-feira no leste da Ucrânia, já estão em Kharkiv, no nordeste do país, fora do controlo dos rebeldes separatistas ucranianos, que controlam a região de Donetsk Oblast, onde o Boeing 777 caiu. É esperado que, ao final da noite desta terça-feira, a trasladação dos cadáveres prossiga de avião rumo a Amesterdão, na Holanda.

Na primeira etapa da viagem, os restos mortais foram transportados de comboio, dentro de carruagens refrigeradas, desde a cidade de Torez, na região separatista de Donetsk para uma região da Ucrânia que é controlada pelo governo do Presidente Petro Poroshenko.

Após a chegada a Karkhiv, com a correspondente da euronews na Ucrânia, Marya Korenyuk, a observar a operação, as carruagens com os cadáveres foram levadas da estação ferroviária de Jarkov-Balashovski para a fábrica militar de Mályshev. “Daqui os restos mortais das vítimas da queda do avião vão para o aeroporto internacional de Kharkiv, de onde serão trasladados de avião para a Holanda”, concretiza a repórter da euronews.

Em Amesterdão, os cadáveres serão examinados e identificados através de exames dentários e de ADN, num processo que se adivinha longo. Somente após finalizado este processo, os corpos serão entregues às respetivas famílias para que se dê sequência aos funerais.

Após alguma resistência em colaborar com as autoridades internacionais encarregues de investigar a queda do aparelho, no qual existe a forte suspeita de ter sido abatido por um míssil de fabrico russo, as caixas negras do avião foram, finalmente, entregues pelos separatistas ucranianos aos responsáveis da Malaysian Airlines e deverão ser examinadas no Reino Unido.

O voo MH17 despenhou-se quinta-feira à tarde na região de Donetsk Oblast, no leste da Ucrânia, quando se encontrava a cerca de 60 quilómetros da fronteira com a Rússia. O avião das Linhas Aéreas da Malásia voava a uma altitude estimada de 10 mil metros quando os controladores aéreos perderam contacto com o aparelho. Seguiam a bordo, de acordo com a companhia, 298 pessoas, incluindo os 15 tripulantes. Não há sobreviventes, mas faltam encontrar 16 corpos.