Última hora

Última hora

Gaza: Sobreviver a contrarrelógio

Em leitura:

Gaza: Sobreviver a contrarrelógio

Tamanho do texto Aa Aa

A algumas horas do fim do cessar-fogo os tanques israelitas não pararam de patrulhar as ruas de Khan Yunis, cidade palestiniana situada no sul da Faixa de Gaza.

Milhares de residentes desta cidade, que fugiram do conflito, regressam às áreas devastadas. Os palestinianos aproveitam a trégua, num cenário de caos total, para recuperar o tempo perdido enquanto, em contrarrelógio, as equipas de socorro procuram vítimas entre os escombros.

As 12 horas de pausa são, pelo menos para já, o único resultado da mediação conduzida pelo Secretário de Estado norte-americano e pelo Secretário-geral da ONU.

Mas a comunidade internacional quer mais. Os ministros dos Negócios Estrangeiros de França, Grã-Bretanha, Alemanha, Itália, Qatar, Turquia e Estados Unidos, pediram, este sábado, depois de se reunirem em Paris, o prolongamento do período do cessar-fogo humanitário entre Israel e o Hamas:

“Queremos todos conseguir, o mais rápido possível, um cessar-fogo duradouro, negociado, que responda às necessidades de Israel, em matéria de segurança, e às dos palestinianos, em termos económicos e sociais e o acesso ao território de Gaza”, referiu Laurent Fabius, Ministro dos Negócios Estrangeiros francês.

Os representantes destes sete países encontram-se na próxima semana para continuar um debate no qual não participam Israel, Palestina ou Egito, país que tem vindo a mediar o conflito.