Última hora

Última hora

"Sanções não levam a lugar nenhum", diz embaixador russo para a UE

Em leitura:

"Sanções não levam a lugar nenhum", diz embaixador russo para a UE

Tamanho do texto Aa Aa

Para analisar o impacto do novo bloco de sanções europeias, a correspondente da euronews em Bruxelas, Fariba Mavaddat, entrevistou Vladimir Chizhov, embaixador russo junto da UE.

Fariba Mavaddat/euronews (FM/euronews): “Este é o mais pesado pacote de sanções ocidentais contra a Rússia desde o fim da Guerra Fria. O que pensa disso?”

Vladimir Chizhov/embaixador (VC/embaixador): “Para ser franco, fiquei muito decepcionado porque, na minha opinião, a União Europeia mostrou não ter a capacidade ou a vontade de abandonar o caminho das sanções, que é um caminho que não leva a lugar nenhum”.

FM/euronews: “Vai levar onde? A uma segunda Guerra Fria?”

VC/embaixador: “Não foi uma opção da nossa parte criar este confronto com o Ocidente, incluindo a União Europeia. As sanções que a UE está a aprovar contra a Rússia vão, certamente, sair-lhe pela culatra. E não por causa de contra-sanções que a Rússia possa impor, mas porque a comunidade empresarial da UE vai sofrer, bem como a economia da UE”.

FM/euronews: “De que forma? Também estão a ponderar sanções contra a UE?”

VC/embaixador: “Não, não entramos nesse género de retaliação na mesma moeda. Mas vamos certamente olhar para outros mercados, talvez outras fontes de investimento. Existem muitas disponíveis. O mundo não se limita à União Europeia.”

FM/euronews: “Vai atingir, de alguma forma, o setor energético?

VC/embaixador: A energia é uma área que a UE está a usar contra a Rússia. Mas a UE é cuidadosa o suficiente para não pôr em causa o fluxo de gás e de petróleo vindos da Rússia. Não vamos cortar o fornecimento de gás, deixe-me assegurá-la e aos telespectadores.”

FM/euronews: “Então, Sr. embaixador, onde é que isto vai parar?”

VC/embaixador: “Analisando a situação com um certo distanciamento, quem vai lucrar com tudo isto? Certamente que não é a União Europeia, nem os seus Estados-membros, nem o seu povo. E também não é a Rússia nem seu povo. Há provavelmente outros interessados desejosos de que se crie um fosso entre a Rússia e o resto da Europa.”

FM/euronews: “A que outros se refere?”

VC/embaixador: “Penso que não é muito difícil adivinhar.”

FM/euronews: “Posso insistir nisto?”

VC/embaixador: “São os países que estão a empurrar a UE para esta crise.”

FM/euronews: “Está a falar dos Estados Unidos da América?”

VC/embaixador: “São palavras suas! Mas, obviamente, quando são introduzidos sanções 24 horas depois de uma teleconferência entre os dois lados do Atlântico, as pessoas podem tirar algumas conclusões”.

FM/euronews: “Como vê o futuro das relações entre a Rússia e a UE?”

VC/embaixador: “Acredito que vamos ser capazes de sobreviver, vamos superar esta crise, porque não há alternativa à parceria entre a Rússia e a UE. Estou plenamente convencido disso.”