Última hora

Última hora

Bélgica comemora o início da I Guerra Mundial; convidados defendem fim da neutralidade num mundo em que a paz é frágil

Em leitura:

Bélgica comemora o início da I Guerra Mundial; convidados defendem fim da neutralidade num mundo em que a paz é frágil

Tamanho do texto Aa Aa

A data de 4 de agosto de 1914 marca a invasão da Bélgica pelas tropas alemãs. Este momento histórico foi comemorado, esta manhã de segunda-feira, em frente do Memorial Nacional de Liège, um local altamente simbólico, pois o monumento foi financiado por subscrição pública pelas nações aliadas, por iniciativa da Federação dos Veteranos Aliados.

O Rei Filipe da Bélgica deu o tema para todos os discursos, no geral, que os outros desenvolveram em particular: a Casa da Europa tem de promover a Paz.

O presidente alemão, Joaquim Gauck, começou por agradecer, com humildade, o convite dos antigos imigos, parceiros atuais, e afirmou: – Temos de defender ativamente a liberdade e os direitos, ser o garante da verdade e da tolerância. Senhoras e senhores, temos de aprender o melhor e o pior com o sofrimento das duas Guerras Mundiais.

O presidente francês foi mais específico, começando por nomear todos os conflitos com que a humanidade de debate e sublinhou a necessidade de ser mais ativo em defesa do bem estar comum:
Francois Hollande: – Como manter-nos neutros quando em Gaza há um conflito mortífero que dura há um mês?Não podemos continuar neutros: temos obrigação de agir. A Europa e as Nações Unidas devem assuimr responsabilidades.

As comemorações do centenário da I Guerra Mundial, foram presididas por Suas Magestades, os Reis Filipe e Matilde, o primeiro-ministro belga Elio di Rupo, o governador de Liege, Michel Foret, o presidente alemão, Joachim Gauch, o primeiro-ministro irlandês Enda kensh e os Duques de Cambridge, o presidente francês, François Hollande, e como convidados especiais, o presidente cessante da Comissão Europeia, Durão Barroso e o Rei de Espanha, Filipe.

Mas estiveram presentes representantes de mais de 80 países, na cidade de Liege, para comemorar o início da I Grande Guerra nesta cidade mártir.