Última hora

Última hora

Xavi Hernandéz diz adeus à seleção para se focar no Barça

Em leitura:

Xavi Hernandéz diz adeus à seleção para se focar no Barça

Tamanho do texto Aa Aa

Xavi Hernandez – o segundo futebolista mais internacional de sempre em Espanha atrás de Iker Casillas – anunciou esta terça-feira o adeus à selecção. Campeão do Mundo em 2010, para o médio, de 34 anos, a etapa da sua carreira ao serviço dos ainda Campeões da Europa chegou ao fim.


O catalão revelou que a decisão de deixar “la Roja” já havia sido tomado no final do Euro 2012, onde a Espanha derrotou Portugal no desempate por penáltis nas meias-finais, mas na altura o selecionador Vicente del Bosque convenceu-o a continuar até ao recente Mundial do Brasil, onde a prestação espanhola foi desastrosa. Em particular, no jogo inaugural, em que a Espanha foi goleada (5-1) pela Holanda, na reedição da final da última “Euro Copa”. A hora do adeus, contudo, chegou agora.


“Saio satisfeito com o trabalho que fiz. Estou muito orgulhoso e feliz. Desejo o melhor à equipa. Também me deixa satisfeito o facto de Vicente del Bosque continuar. Desejo o melhor a todos. A partir de agora sou mais um adepto. O meu tempo na selecção de Espanha chegou ao fim. Muito obrigado a todos”, afirmou Xavi Hernandez, numa conferência de imprensa em que esclareceu ainda o futuro imediato.


Depois de 133 jogos e 12 golos pela Espanha, o médio vai agora poder ficar-se apenas no Barcelona, o clube onde joga desde sempre e no qual se estreou na primeira equipa aos 18 anos, em maio de 1998, pela mão do holandês Louis van Gaal (na altura, coadjuvado por José Mourinho), num jogo particular contra os ingleses do Southampton.


As recentes notícias davam conta de alguma insatisfação de Xavi face à pouca utilização em Camp Nou nas derradeiras semanas da última época. A possibilidade de trocar a Liga espanhola pelo campeonato profissional norte-americano (MLS) começou a ganhar força. O médio, contudo, fechou, para já, a porta de saída e mantém-se no Barcelona.


“Acabei a época passada dececionado. Sofri deceções coletivas e pessoais grandes. Não me senti útil estando no banco no último e decisivo jogo da Liga e a ideia de sair surgiu-me na seleção. De forma precipitada, decidi que era melhor abandonar esta etapa. Fui, entretanto, de férias. Falei com Andoni Zubizarreta e Luís Enrique [o novo treinador]. Eles convenceram-me que posso ser importante e útil. Agradeço ao clube a paciência e a espera”, afirmou Xavi, o qual não sabe ainda se será o novo capitão do “Barça” após a saída de Puyol: “Fizemos votações, vamos ver o que sai. Estou preparado para o que for. No balneário, é tudo consensual, ouvimos todos. Seria um orgulho suceder a um amigo e um grande capitão como foi Carles Puyol.”


O seleccionador Vicente del Bosque já reagiu, entretanto, ao anúncio de Xavi. “Foi uma peça chave no estilo de jogo da seleção, que tantos êxitos nos deu. Foi um dos grandes suportes que tivemos no balnerio nestes seis anos. Gostaria de reconhecer um jogador fantástico. Perdemos um futebolista único. será difícil encontrar outro igual”, afirmou o treinador à pagina oficial na internet da selecção espanhola, concluindo: “Vamos sentir a sua falta tanto dentro como fora do campo.”