Última hora

Última hora

Alemanha e Itália registam quebra de dinamismo económico

Em leitura:

Alemanha e Itália registam quebra de dinamismo económico

Tamanho do texto Aa Aa

A recuperação económica na zona euro continua anémica e a prova é que duas das suas principais potências industriais dão sinais de menor dinamismo.

No caso da Alemanha, as encomendas no setor industrial caíram para níveis de há três anos, tendo diminuído 3,2% de maio para junho.

As sanções europeias contra o regime de Moscovo, por causa da crise na Ucrânia, destabilizam o mercado alemão, muito interligado com o mercado russo.

O governo de Berlim bloqueou também, esta semana, um contrato na área militar entre uma empresa de Dusseldorf e o governo russo no valor de 100 milhões de euros.

A Itália, terceira economia da zona euro, voltou à recessão técnica, com dois recuos trimestrais consecutivos do Produto Interno Bruto (PIB).

A queda no segundo trimestre foi de 0,2%, ainda mais acentuada do que os 0,1% no final de março.

O presidente da Confederação de Comércio italiana, Carlo Sangalli, disse que “a produção industrial, o PIB e os preços no consumidor estão a cair e assistimos ao encerramento de empresas de serviços e de lojas”.

No final de 2013, a Itália parecia emergir da recessão, ao registar um crescimento da riqueza nacional de 0,1%, mas foi sol de pouca dura.

O primeiro-ministro italiano, Matteo Renzi, apostava no regresso do crescimento para combater a alta taxa de desemprego e a enorme dívida pública do país.