Última hora

Última hora

Hosni Abidi: "A decisão norte-americana sobre o Iraque foi a mais acertada, mas veio tarde demais"

Em leitura:

Hosni Abidi: "A decisão norte-americana sobre o Iraque foi a mais acertada, mas veio tarde demais"

Tamanho do texto Aa Aa

Para falar sobre os últimos desenvolvimentos no Iraque, junta-se a nós desde Paris Hosni Abidi, especialista em assuntos do mundo árabe.

Euronews: Hosni Abidi, bem-vindo à euronews, quem é esta organização e de onde vem o financiamento?

Hosni Abidi: “Esta organização é a sucessora do Estado Islâmico do Iraque e do Levante. Foi criada em 2006 pela Al-Qaeda no Iraque e pelo seu representante Moussab al-Zarqaoui. Foi sucedido por al-Baghdadi que anunciou que organização se tinha tornado independente. O Estado Islâmico é um agrupamento de várias organizações que estão a tentar encontrar o ambiente ideal para crescer. Têm as suas próprias fontes de rendimento graças às armas recolhidas durante os conflitos, também há pedidos de resgate e outras atividades, tais como o roubo de um banco em Mosul onde a organização conseguiu quase 500 milhões de dólares. O grupo também aproveitou a fronteira Síria-Iraque para atrair muitos apoiantes.”

Euronews: Como explica a decisão de Washington de intervir estratégicamente neste momento, quanto a ofensiva do Estado islâmico já está em andamento há dois anos?

Hosni Abidi: “A decisão norte-americana sobre o Iraque foi a mais acertada, mas veio tarde demais. E a questão aqui é porque é que a comunidade internacional só está acordar para este assunto agora? Já há algum tempo que têm surgido apelos para que a comunidade internacional intervenha, para proteger o Iraque e as suas comunidades, especialmente as minorias: os cristãos iraquianos não têm acesso à força militar para se protegerem como os sunitas e os xiitas têm. E apesar de todos estes apelos, a comunidade internacional mal levantou um dedo. Na sequência do seu discurso, Barack Obama pode ajudar o governo iraquiano que pretende usar a situação precária dos cristãos iraquianos, para ter acesso à ajuda americana.”