Última hora

Última hora

Ébola: Presidente da Libéria pede desculpa aos médicos infetados

Em leitura:

Ébola: Presidente da Libéria pede desculpa aos médicos infetados

Tamanho do texto Aa Aa

A presidente da Libéria falou no sábado sobre o surto de Ébola que está a afetar gravemente o país. Ellen Johnson Sirleaf aproveitou para lamentar o crescente número de mortos entre os assistentes médicos que estão a lutar contra o vírus em África e que acabaram infetados.

“Se ainda não fizemos o suficiente a esta altura, estou aqui para vos pedir desculpa por isso”, disse a chefe de Estado liberiana, dirigindo-se aos assistentes médicos que se mantém a ajudar o país a combater este surto que já ultrapassou, inclusive, as fronteiras continentais.


Com a China a participar pela primeira vez numa missão de assistência internacional devido a uma emergência médica, na Nigéria – o terceiro país a ser afetado pelo Ébola depois da Serra Leoa e da Libéria – as pessoas ainda brincam com a existência do vírus no país.


Um residente de Lagos, a capital nigeriana, refere mesmo que é tudo uma questão de fé: “Se eles dizem que o Ébola é real, por mim tudo bem. Quanto a mim, eu não sei. Sou um típico homem africano e eu não acredito. Essa é a minha crença.”

Na internet, as redes sociais nigerianas estão repletas de brincadeiras. Ainda assim, mais a sério, mas nem por isso menos incrível, é a confiança de algumas pessoas de que basta juntar sal à água do banho ou à água que se bebe se ficar imune ao Ébola.


Quanto aos factos, a atualização efetuada pela Organização Mundial de Saúde (OMS) estima a existência de 1779 pessoas infetadas e 961 mortos, os quais deverão chegar aos 1000 no decorrer da semana que entra.


A última actualização da OMS revelava, a 8 de Agosto, um total de 1711 casos reportados de pessoas infetadas, incluindo 932 mortos.