Última hora

Em leitura:

Grécia: Agricultores vítimas da guerra económica entre Moscovo e Bruxelas


A redação de Bruxelas

Grécia: Agricultores vítimas da guerra económica entre Moscovo e Bruxelas

Na Cooperativa Agrícola de Naussa toneladas de pêssegos são deitadas ao lixo ou transformadas em sumo por apenas 10% do seu valor

Trata-se de fruta destinada ao mercado russo transportada em 10 camiões que foram obrigados a regressar devido ao embargo russo aos produtos hortícolas da União Europeia.

“Sessenta por cento da produção de pêssego vai para o mercado russo. A seguir são os quivis com 50% da produção também destinada ao mercado russo. Depois são os morangos. Noventa por cento da produção é para o mercado russo. Como se vê, o mercado russo é o nosso principal mercado. Foi nele que investimos e nos apoiámos durante todos estes anos”, afirmou Christos Giannakakis, presidente da União das Cooperativas Agrícolas de Imathia.

As cooperativas são agora obrigadas a guardar a fruta em frigoríficos e têm poucas ou nenhumas alternativas.

A Europa, estagnada economicamente, oferece preços baixos e uma concorrência feroz e a China é muito distante.

Symela Touchtidou, da Euronews, visitou uma das cooperativas.

“Três mil toneladas de pêssegos estão guardadas nos frigoríficos da Cooperativa
Agrícola de Naussa. Apesar dos produtores serem compensados por este stock, é impossível calcular as perdas dos próximos meses. Os agricultores gregos dizem-se vítimas inocentes da guerra económica entre Bruxelas e Moscovo”, sublinhou.

Na alfândega de Veria, perto de Naussa, camiões carregados de fruta estão de regresso à Grécia.

A maioria deles estava na Roménia e na Moldávia quando o embargo russo entrou em vigor.

“Vim carregar o camião aqui à Grécia, mas quando cheguei disseram-me que há uma nova lei e que não são permitidas mercadorias gregas. Tive de regressar ao parque e já estou aqui há uma semana sem saber quanto tempo vou ter de esperar”, disse um motorista russo.

Os exportadores tentam encontrar mercados alternativos por toda a Europa, vendendo a qualquer preço.
Os motoristas gregos também são atingidos pelo embargo.

“Alguns exportadores tentaram reduzir o prejuízo vendendo em mercados com a Ucrânia, a Bielorrússia, a Polónia ou a Republica Checa. Tentam vender mesmo a metade do preço”, referiu Apostolos Kenanidis, presidente do sindicato dos motoristas.

O governo grego anunciou que vai pedir à Comissão Europeia a completa indemnização dos agricultores gregos.

Há pontos de vista diferentes para cada história: a Euronews conta com jornalistas do mundo inteiro para oferecer uma perspetiva local num contexto global. Conheça a atualidade tal como as outras línguas do nosso canal a apresentam.

Artigo seguinte

A redação de Bruxelas

"Colina da morte" na Alsácia é um dos marcos da Grande Guerra