Última hora

Última hora

Curdos tentam travar avanço jihadista no Iraque

Em leitura:

Curdos tentam travar avanço jihadista no Iraque

Tamanho do texto Aa Aa

A RAI 1 explica como centenas de milhares de pessoas foram atiradas para a rua pela ofensiva feroz do Estado Islâmico, com início a 9 de junho. Os jihadistas ocuparam território ao norte, leste e oeste de Bagdade e avançam para o Curdistão autónomo. Os curdos tentam travar este avanço, agora com ajuda ocidental.

A SFR também foca a ajuda humanitária, que chega ao Curdistão iraquiano, onde milhares de pessoas se refugiram dos jihadistas do norte do país. Para o Curdistão pode ser a oportunidade esperada para criar um Estado independente.

O Alto Comissariado da ONU para os Refugiados calcula que há dezenas de milhares de deslocados no Iraque, das minorias cristãs e de outras religiões não muçulmanas, como a minoria yazidi. Milhares de pessoas fugiram sem água nem comida para as montanhas de Sinjar. Reportagem da France 2 sobre os sobreviventes.

Nenhuma outra comunidade foi poupada pelos jihadistas do chamado Estado islâmico. As populações têm de escolher entre obediência e conversão ou morte. Será que são mais perigosos que os membros da Al Qaida? A resposta da RSI merece transcrição para devido conhecimento:

“Osama Bin Laden, Al Qaida, guerra do Iraque, luta contra o terrorismo. Foi neste contexto, há 10 anos, que nasceu o Estado islâmico. O objetivo foi teorizado pelo senhor do terror: nascimento de um califado, do género de um Estado integralista, dirigido pela sharia.

A realização passa por Abou Moussab Al-Zarqaoui, terrorista da Jordânia que, depois da invasão iraquiana, fundou e dirigiu o grupo terrorista da Al Qaida no Iraque.

Feroz, impiedoso e brutal, o sunita Al Zarqaoui tornou-se o símbolo da luta contra a ocupação americana.

Em 2006, depois de uma longa cada ao homem, as forças americanas encontraram-no e mataram-no.

A organização terrorista vacilou, esmagada pelas forças americanas e iraquianas, mas não desapareceu, apenas mudou de nome, para Estado islâmico do Iraque.

Mas foi na Síria que reencontrou o vigor, no combate ao regime de Bashar al Assad, ao lado da Al Qaida, até que a rede do terror decidiu afastar-se, por a julgar violenta demais.

O grupo voltou a mudar de nome para Estado islâmico do Iraque e do Levante, ISIS. O líder é Abou Bakr al-Baghdadi. Depois de se reorganizar e enriquecer, iniciou o recrutamento no estrangeiro e partiu à conquista do Iraque.

O avanço foi rápido e espetacular: semeou o caos na Síria e no Iraque, os americanos partiram. Cerca de 30 mil homens avançaram para bagdade sem encontrar resistência. Conquistaram Raqqa, na Síria, onde fizeram a capital, e depois Fallujah e Mossul, no Iraque.
São bárbaros sem limites contra todos os que se opõem ao seu projeto, contra as minorias, contra a história, contra a arte.

Em junho, al Baghdadi proclamou a nascença do califado, num território que é o dobro da Suíça. O sonho de Osama bin Laden foi realizado.” – Reportagem da RSI.