Última hora

Última hora

Curdos à conquista da barragem de Mossul pedem armas à EUropa e EUA

Em leitura:

Curdos à conquista da barragem de Mossul pedem armas à EUropa e EUA

Tamanho do texto Aa Aa

Os peshmergas curdos lançaram este sábado uma ofensiva, com apoio da aviação norte-americana, para tentar recuperar aos jihadistas a maior barragem do Iraque, 50 quilómetros a norte de Mossul.

Esta barragem fornece água e electricidade a uma extensa região, dependendo dela a irrigação de quase todas as terras agrícolas da província de Nínive.

Os combatentes curdos pedem armas à Europa e Estados Unidos, confrontados com a superioridade militar dos radicais sunitas do Estado Islâmico.

“O que distingue este, de outros conflitos, é que estes terroristas estão em posse de muito armamento sofisticado que pertencia ao exército iraquiano, armas norte-americanas. As armas de que dispomos são velhas”, explicou Derya Cashkri, um responsável das forças peshmergas.

Nos territórios sob domínio dos jihadistas, a violência continua. Pelo menos 80 homens foram executados e 300 mulheres raptadas na aldeia yezidi de Kocho, poucos quilómetros a sudoeste da cidade de Sinjar.

Entretanto, o chefe da diplomacia alemã, Frank-Walter Steinmeier, visitou neste sábado Bagdad e Erbil, para reafirma o compromisso na luta contra os extremistas do Estado Islâmico.

A Alemanha disponibilizou 24 milhões de euros para ajuda aos refugiados.

Antes da chegada de Steinmeier ao Iraque, um avião de transporte da Bundeswehr aterrou em Erbil com ajuda humanitária. A Alemanha decidiu enviar para o Curdistão cinco aviões com cerca de 36 toneladas de medicamentos, materiais médicos e alimentos.

Os responsáveis da diplomacia da União Europeia chegaram na sexta-feira a um acordo sobre o envio de armas aos combatentes curdos no Iraque.