Última hora

Última hora

Em leitura:

Os ventos da mudança em Austin


urban-visions

Os ventos da mudança em Austin

Neste episódio de Urban Visions estamos em Austin, no Texas, com esta série sobre os desafios energéticos do futuro. O Texas está muito associado ao petróleo. Mas a capital do estado está-se a tornar conhecida pelas energias renováveis.

  • As energias renováveis são provenientes de um recurso natural inesgotável
  • Incluem a energia eólica, solar, hidráulica, geotérmica, energia das marés e da biomassa
  • Os principais líderes mundiais em energias renováveis ​​são os EUA, China e Alemanha
  • Muitos países introduziram metas de energias renováveis ambiciosas
  • A UE quer que 20% da sua energia seja proveniente de fontes renováveis ​​até 2020
  • Os EUA partilham o mesmo objetivo, enquanto o da China é de 15%, até 2020


Brewster McCracken é ex-vereador e investigador em matéria de energia: “Austin era uma cidade que tinha uma boa consciência ambiental antes desta questão estar na moda, motivou uma série de ações em que os líderes da cidade participaram, a partir de 1980.”

A cidade pretende que mais de um terço da sua energia seja proveniente de fontes renováveis​​, e pretende alcançar esta meta antes do previsto.

Muita dessa energia vem das vastas e remotas planícies no oeste do Texas, onde alguns dos maiores parques eólicos do mundo estão espalhados pela paisagem, até onde a vista consegue alcançar.”

O estado é o maior produtor de energia eólica nos EUA. O que é gerado aqui vai para centenas de milhares de casas e empresas de vários locais.Todos os edifícios públicos de Austin agora funcionam com energias renováveis​​ e muitas pessoas concordaram em pagar um pouco mais para terem uma fonte de energia mais verde. A concessionária da energia da cidade também é aproveita os raios do sol.

Tim Harvey, Especialista Solar, na Austin Energy explica: “Esta é a a Quinta Webberville em Austin. Uma quinta solar que produz 30 megawatts. Produz energia suficiente para 5 mil casas residenciais e é o nosso projeto emblemático”.

Quando inaugurado em 2011, este projeto era o maior dos EUA. Está planeada outra quinta solar, cinco vezes maior e o boom de painéis solares nos telhados particulares continua.

“A maior parte das fontes de energias renováveis ​​vão ser painéis solares dentro das cidades, será algo global. Como o preço da energia solar continua a descer, torna-se apenas o custo de adicionar um pequeno extra ao telhado. É uma mudança significativa”, diz Brewster McCracken.

Neste momento as energias renováveis ​​representam cerca de um quinto da eletricidade produzida no mundo. Com a preocupação com o aquecimento global, a utilização da energia eólica e solar tem vindo a crescer a um ritmo acelerado. Mas os especialistas dizem que a expansão futura vai depender do financiamento e dos preços, mas também de uma melhor distribuição das energias renováveis ​​nas redes nacionais.

Para Susan Krumdieck, especialista em energia: “Os sistemas energéticos que temos, foram projetados para funcionar com uma geração em larga escala, por um lado, e com o consumo, pelo outro. As renováveis não funcionam assim, são colocadas em locais diferentes e são intermitentes. Desta forma, o projeto de sistemas com energias renováveis ​ tem de ser feito pelos engenheiros, e não pelos políticos.”

No entanto, outros especialistas defendem que como o sol e o vento não estão sempre garantidos, as energias renováveis vão continuar a ser o sócio minoritário neste negócio energético.

Escolhas do editor

Artigo seguinte
Hong Kong: Mobilidade Inovadora

urban-visions

Hong Kong: Mobilidade Inovadora