Última hora

Última hora

Turquia: Começa com um boicote da oposição a presidência de Erdogan

Em leitura:

Turquia: Começa com um boicote da oposição a presidência de Erdogan

Tamanho do texto Aa Aa

Foi com um protesto da oposição e o boicote à cerimónia de tomada de posse dos deputados do Partido Republicano do Povo (CHP, na sigla original), que arrancou o mandato do 12.° Presidente em 90 anos de história da República da Turquia. Recep Tayyip Erdogan, o primeiro chefe de Estado turco a ser eleito diretamente pelo povo, recebeu o testemunho da presidência esta quinta-feira de Abdullah Gül e retribuiu ao condecorar o antecessor com uma medalha de mérito nacional.

Foi mais um dos momentos que marcou a cerimónia realizada no Parlamento de Ancara, antes da qual a oposição pediu à assembleia para abrir um debate sobre o facto de Erdogan não ter abdicado do cargo de primeiro-ministro logo após ter sido eleito Presidente, a 10 de agosto, e ter-se mentido em funções à frente do Governo até à véspera da tomada de posse. Perante a recusa do Presidente da Assembleia de abrir esse debate, os protestos fizeram-se ouvir bem alto e até um livro com as regras de conduta dentro do Parlamento foi visto a voar pela sala. Os deputados do CHP acabariam por abandonar o hemiciclo antes do juramento da Constituição pelo novo Presidente, escolhido por 52 por cento dos eleitores.

A tomada de posse foi acompanhada pelo correspondente da euronews, em Ancara, Bora Bayraktar: “Recep Tayyip Erdogan é agora, de forma oficial, o Presidente. A primeira tarefa será mandatar [o nomeado primeiro-ministro] Ahmet Devutoglu à formação de um novo governo. Depois, tentar acabar com a tensão política que se agravou durante a campanha eleitoral, para, então, poder ser o Presidente dos 77 milhões, como ele próprio referiu.”

Logo após ter jurado respeito à Constituição – a qual está determinado a mudar para reforçar os poderes do chefe de Estado -, Erdogan deixou o Parlamento e rumou, ao lado da mulher Emine Gülbaran, ao mausoléu onde repousam os restos mortais do fundador da Turquia, Kemal Ataturk, para a tradicional homenagem ao primeiro Presidente da República.

Antes, no primeiro discurso já como Presidente, Erdogan estabeleceu como prioridades do seu mandato a integração da Turquia na União Europeia, as reformas democráticas para o país e o processo de paz com o Curdistão turco. Mas o vigoroso protesto da oposição, ainda em pleno Parlamento, representa um sinal de que a Presidência de Erdogan e a afirmação da alegada “Nova Turquia” não serão tarefas fáceis para o até aqui chefe de Governo.