Última hora

Última hora

Reclinar ou não o assento: Eis a questão!

Em leitura:

Reclinar ou não o assento: Eis a questão!

Tamanho do texto Aa Aa

Dois pedaços de plástico estão a criar polémica entre passageiros aéreos e já obrigaram a aterragens de emergência.

Reclinar ou não o assento durante o voo tornou-se uma questão filosófica, devido à utilização de um dispositivo que se instala na mesa e impede o assento da frente de baixar. O chamado “defensor de joelhos” (“Knee Defender”) custa o equivalente a 17 euros e existe desde 2003.

As vendas explodiram 500% nos últimos dias, depois de um voo da United Airlines ter aterrado de emergência, porque dois passageiros entraram em luta. Um queria reclinar o assento e o outro recusou retirar o “defensor de joelhos”, mesmo a pedido da hospedeira.

Para evitar guerras de joelhos, o inventor do dispositivo, Ira Goldman, criou também o cartão de cortesia a entregar ao passageiro do banco da frente.

Mas para resolver de vez a questão, há várias companhias que proíbem o uso do sistema. Outras foram radicais e acabaram com os assentos reclináveis.