Última hora

Última hora

França: Era uma vez um presidente normal com uma mulher normal que quer vingança

Em leitura:

França: Era uma vez um presidente normal com uma mulher normal que quer vingança

Tamanho do texto Aa Aa

É o livro que está a fazer a manchete – e a polémica! – de todos os meios de comunicação social franceses: “Merci pour ce moment” (Obrigada por este momento, numa tradução livre) tem por autora Valérie Trierweiler – nem mais nem menos do que a ex-companheira do presidente francês, François Hollande.

Escrito no mais completo segredo – num computador sem qualquer ligação à internet -, e igualmente impresso sem que qualquer fuga de informação tenha sido detetada, o livro estará esta quinta-feira nas bancas.

São 330 páginas ao longo das quais a jornalista e ex-primeira dama detalha os 18 meses passados no Palácio do Eliseu: desde a eleição de François Hollande até à mediática rotura do mediático casal.

Mais um rude golpe para François Hollande, tanto mais que o presidente francês não estava de todo ao corrente do “nascimento” deste livro e que -segundo os seus amigos mais próximos e o próprio Eliseu – está “aterrorizado”: “ « Il ne sait pas ce qu’il y a dedans. Il est un peu atterré », («Não sabe o que está no livro, está um pouco aterrorizado», numa tradução livre) pode ler-se no artigo publicado (em francês) pelo jornal >a href="http://www.lemonde.fr/politique/article/2014/09/03/ce-que-contient-le-livre-de-valerie-trierweiler_4480790_823448.html " rel="external">"Le Monde".

Um homem normal

O presidente que foi eleito sob a promessa de ser um “presidente normal” tem, de facto, feito tudo como “um homem normal” – pelo menos, na vida privada.

E, como um homem normal, atravessa, certamente, a crise dos 50 anos (embora tenha competado os 60 este ano).

Tudo começou >a href="http://www.lexpress.fr/actualite/politique/l-histoire-vraie-d-une-rupture_476403.html" rel="external">em 2007, quando François Hollande e Segolène Royal se separam.

O homem normal tem, afinal, uma “amante” – Valérie Trierweiler – e Segolène estima que está na hora de pôr fim à relação que mantêm há anos e da qual surgiram quatro filhos.

Como vários outros homens normais, Hollande poderia ter, simplesmente, trocado a mulher pela amante e refeito a sua vida com ela. Mas não!

Como muitos outros homens normais, Holllande – apesar do seu cargo de presidente da República francesa – arranja uma nova amante: a atriz Julie Gayet. O escândalo rebenta em janeiro de 2014, graças – ou por causa – da revista ==