Última hora

Última hora

Guerra é "caminho sem esperança para a Rússia e não interessa à Ucrânia"

Em leitura:

Guerra é "caminho sem esperança para a Rússia e não interessa à Ucrânia"

Tamanho do texto Aa Aa

Sepulturas improvisadas e blindados dilacerados jazem à beira de um desvio na estrada que liga Donetsk a Mariupol. São os estilhaços de mais uma emboscada, no domingo, dos separatistas ao exército ucraniano.

Desde abril, os combates no leste já mataram cerca de 2600 pessoas, segundo as Nações Unidas.

Os refugiados serão já mais de 1.000.000, se somarmos os 260 mil indicados pela ONU aos mais de 800 mil que a Rússia afirma ter acolhido.

Para o Governador de Donetsk, fiel a Kiev, “se houver uma invasão militar em larga escala, vai ser a guerra, uma guerra entre a Ucrânia e a Rússia. E não é certo que a Rússia vá ganhar, porque vão existir movimentos de guerrilha, um gigantesco número de pessoas vai querer defender a sua pátria com armas na mão. Penso que é um caminho sem esperança para a Rússia e que também não interessa à Ucrânia”, afirmou Serhiy Taruta.

Enquanto se aguarda o reforço das sanções contra Moscovo, duas dezenas de soldados ucranianos, feridos em combate, aterraram esta terça-feira em Berlim. Estão a receber tratamento em vários hospitais militares na Alemanha.

Na Ucrânia, prossegue a guerra por Lugansk e por Donetsk ao mesmo tempo que a nova frente de batalha caminha rumo ao grande porto de Mariupol.