Última hora

Última hora

Veneza: Leão de Ouro para "A Pigeon Sat on a Branch Reflecting on Existence"

Em leitura:

Veneza: Leão de Ouro para "A Pigeon Sat on a Branch Reflecting on Existence"

Tamanho do texto Aa Aa

Correu esta noite o pano sobre a Mostra de Veneza.

A septuagésima primeira edição do Festival de Cinema de Veneza desvendou, em último ato, o nome dos premiados. O filme do realizador sueco, Roy Andersson, foi contemplado com o Leão de Ouro.

Um filme com um nome supreendente: “A Pigeon Sat on a Branch Reflecting on Existence” – Qualquer coisa como “Um Pombo Pousado num Ramo a Refletir sobre a Existência”.

Roy Andersson, emocionado, conseguiu apenas dizer” Muito Obrigado!”

É o terceiro filme da trilogia de Roy Anderson iniciada em 2001 com “Songs From the Second Floor” e continuada por “Tu, que vives em 2007”.

Um filme através da condição humana, dos momentos únicos, da mesquinhez, do humor, da tragédia que há em nós. Uma viagem pela grandeza da vida,assim como pelas fragilidades do ser humano.

O júri atribuiu o Leão de Prata, para o melhor realizador, ao russo Andrei Konchalovsky, pelo filme: “The Postman’s White Nights”

Konchalovsky volta a Veneza 12 anos depois de ter apresentado “House of Fools”.

“As Noites Brancas do Carteiro” é a vida de uma aldeia, e do carteiro que faz a sua ligação com mundo, interpretada pelos seus habitantes.