Última hora

Última hora

Andar a 320 km/h com peças impressas em 3D

Em leitura:

Andar a 320 km/h com peças impressas em 3D

Tamanho do texto Aa Aa

Parece um carro de corridas como tantos outros. Mas este Nissan, que vai entrar nas 24 Horas de Le Mans, tem vários componentes que foram impressos.

A tecnologia e os materiais de impressão 3D evoluem a uma velocidade alucinante e no hipercompetitivo mundo dos desportos motorizados, isso significa vantagens e poupanças de monta.

A britânica Strakka Racing não hesitou em colocar peças impressas em 3D num bólide que vai ultrapassar os 320 km/h.

Dan Walmsley, engenheiro-chefe da empresa, afirma que já “não é raro utilizar a impressão em 3D para rapidamente realizar protótipos, o que ajuda a ter ciclos de desenvolvimento mais curtos”, mas o que a Strakka está a fazer agora é “realmente a produção de peças para um carro de competição, o que é um rumo completamente novo. Nos últimos tempos, as propriedades dos materiais atingiram um ponto em que já são rígidas, fortes e leves o suficiente para funcionarem como produtos acabados, como componentes de um carro de corridas”.

Se a rigidez e a resistência são as qualidades que o desporto automóvel procura, na indústria têxtil a busca é pela elasticidade e durabilidade das impressões 3D.

Os estilistas já desenvolveram alguns modelos que são impossíveis de realizar com as técnicas tradicionais.

É um admirável mundo novo que se avizinha, segundo a diretora criativa da Stratasys, Naomi Kaempfer:

“A produção com recurso à impressão 3D está em grande evolução. Ainda estamos à espera de materiais de impressão 3D com a durabilidade e a flexibilidade das fibras têxteis. Temos de compreender que a impressão 3D é uma tecnologia que funciona por adição de camadas e para criar a resistência da fibra é necessário ter uma fibra contínua ao longo do material”.

Imitar a natureza é outra fonte de inovação. Investigadores estão a estudar os casulos dos bichos-da-seda. As impressoras 3D já conseguem replicar as estruturas mas ainda sem a subtileza das larvas que, recorrendo a diferentes padrões e quantidade de seda, fazem casulos macios por dentro e resistentes por fora.