Última hora

Última hora

Egípcios têm esperança neste alargamento do Canal do Suez

Em leitura:

Egípcios têm esperança neste alargamento do Canal do Suez

Tamanho do texto Aa Aa

Está em curso uma corrida contra o relógio para terminar o novo Canal do Suez. O Egito quer abrir uma primeira parte da nova via marítima que abranja a atual para poder dar vazão ao tráfego nos dois sentidos.
A abertura vai reduzir de 11 para 3 horas a travessia de 72 km que separam o Suez no Mar vermelho e em PortPort Saïd, no Mediterrâneo.
A obra é executada pelo exército egípcio mas o projeto foi desenvolvido pelo presidente Al Sisi para estimular a economia egípcia e consolidar a popularidade.
Os cidadãos reconhecem:
“O presidente Sisi animou-nos com este projeto, devolveu-nos o sorriso, através de um projeto económico saudável está a desenvolver a economia egípcia no geral”.
O atual Canal dá um lucro de 3,9 mil milhões de euros ao Egito; a nova via vai aumentar os lucros para 10,5 mil milhões euros em 2023.
O Canal do Suez tem 145 anos e foi nacionalizado por Nasser, em 1956, apesar dos acionistas franceses e britânicos.
Em 1975, reabriu, depois de oito anos de fecho na sequência da Guerra dos Seis Dias. Foi então que apareceram os supercargueiros.
O alargamento completo só termina daqui a cinco anos, com um custo total calculado em 3 mil milhões de euros. Para o financiar, o Estado emitiu obrigações do tesouro que podem dar a ganhar até 12% do investimento inicial. Só os egípcios as podem comprar, na esperan4a de poder fazer um bom investimento e ajudar o país.
A criação de uma plataforma logística, em redor do Canal, é outra das mais valias previstas para a região. Mohammed Shaikibrahim, correspondente da euronews: – Dezenas de km desta terra passarão a ter água, para formar um novo canal de navegação, trazendo mais esperança de retorno de financiamento aos egípcios, de um novo impulso para a economia, tão afetada pelos problemas políticos e de segurança.