Última hora

Última hora

Prós e contras de eventuais fronteiras anglo-escocesas

Em leitura:

Prós e contras de eventuais fronteiras anglo-escocesas

Tamanho do texto Aa Aa

Entre a Escócia e Inglaterra, a vila de Berwick em Tweed ilustra sozinha todas as implicações económicas de uma eventual independência da Escócia. Esta vila de 13 mil habitantes está implantada em território inglês, mas apenas a 6,4 km da fronteira. A ruptura assusta, principalmente em termos económicos.

O talho Skelly foi fundado em 1760, 53 anos depois da União. John Skelly vende produtos típicos dos dois lados da fronteira.

John Skelly é o patrão: – Honestamente, penso que não é bom para Berwick, pois vêm muitos clientes do lado escocês da fronteira, e mesmo das cidades e vilas em redor.

Gavin Jones também vende produtos ingleses e escoceses, mas teme uma ruptura monetária:

- Trabalhamos com notas escocesas, inglesas. Significam o mesmo para nós. Cinco libras escocesas são cinco libras esterlinas. Se a Escócia escolher a independência as cinco libras escocesas tanto podem valer três como sete libras esterlinas. Vai ser mais complexo para os nossos preços e vamos sofrer encargos bancários nos negócios.

Durante séculos, a Escócia e a Inglaterra disputaram Berwick que chegou a mudar de mãos 13 vezes, até 1482. Tornou-se oficialmente inglesa no século XIX.
Mas a vila manteve a dupla identidade.

Isabel Hunter, Mayor de Berwick:

- Pode haver fronteiras, e se as construirem, vão ser precisos passaportes, as pessoas de Berwick vão passar na fronteira regularmente, mesmo diariamente, o que vai ter implicações graves.

Do outro lado da fronteira, na Escócia, a dimensão económica de uma ruptura com o Reino Unido divide o setor dos negócios As consequências sobre o emprego, as exportações e a vida das empresas, não são entendidas do mesmo modo por todos.
Duas centenas de diretores de empresas assinaram uma petição para a independência, a maioria de pequenas e médias empresas. Entre eles o diretor do Gleneagles Hotel de Glasgow, Andrew Fairlie: – Pensamos numa Escócia independente, em que o negócio possa florescer, pode ser um sucesso. haverá mais ioportunidades para os negócios pequenos na Escócia. Estamos confiantes no funcionamento positivo.
Pelo contrário, 130 patrões escoceses apoiam a união e sublinham as ligações económicas muito fortes ao Reino Unido, que emprega um milhão de escoceses. Entre eles, Keith Cochrane: – Sou um escocês orgulhoso. Vivi e trabalhei na Escócia toda a vida…mas no fim, no dia a dia, não é inconsistente fazer parte do Reino Unido.