Última hora

Última hora

Obama promete caça aos terroristas do Estado islâmico

Em leitura:

Obama promete caça aos terroristas do Estado islâmico

Tamanho do texto Aa Aa

O combate ao Estado Islâmicos gera um quase consenso no Congresso em torno da estratégia de Barack Obama. Os legisladores dizem que estão prontos a dar o “voto de guerra”, para apoiar a campanha do presidente. A Casa Branca vai pedir a aprovação de 500 milhões de dolares para treinar e armar os rebeldes sírios moderados para combaterem os extremistas no Iraque.

“Eu quero deixar claro que vamos caçar os terroristas que ameaçam o nosso país, onde quer que estejam. Isso significa que não hesitaremos em tomar medidas contra os jihadistas na Síria, assim como o Iraque”.

Há apenas um ano, os congressistas recusaram uma intervenção militar contra o governo da Síria pelo uso de armas químicas tendo infligido uma derrota política embaraçosa a Obama.

“Na luta contra o ISIL, não podemos contar com o regime de Assad que aterroriza o seu povo. Um regime que nunca vai recuperar a legitimidade que perdeu. Em vez disso, devemos fortalecer a oposição como o melhor contrapeso para extremistas do Estado islâmico.”

As decapitações de dois prisioneiros norte-americanos pelo Estado islâmico fortaleceu a necessidade de uma ação mais militar, e os líderes do Congresso, tanto democratas como republicanos apoiaram os planos de Obama ontem apresentados.

Obama pediu que os fundos para a preparação dos rebeldes da Síria devam ser incluídos num projeto de lei de financiamento extraordinário o que evitaria uma paralisação do governo a 01 de outubro, o início de um novo ano fiscal.

Uma pesquisa Washington Post-ABC News mostra que 71 por cento dos norte-americanos apoiam os ataques aéreos no Iraque, contra 54 por cento há três semanas e de 45 por cento em junho.

Em Washingtom o correspondente da euronews explica:

“O presidente Obama está a tentar uma linha ténue entre o que parece ser uma necessidade política e militar e a opinião pública dos EUA parece disposta a tolerar. A grande maioria dos americanos ainda é contra qualquer missão de combate no Médio Oriente, mas ao mesmo tempo esperam que o seu presidente responda vigorosamente à ameaça do exército islâmico do Iraque. A estratégia que Obama delineou reflete que: os jihadistas serão destruídos com o apoio fundamental dos Estados Unidos, mas o combate terrestre dever ser feito pelas forças locais. Se necessário, essa estratégia daria Obama flexibilidade suficiente para intensificar a luta – após as eleições de novembro “.