Última hora

Última hora

Voz da comunidade uigure arrisca pena de prisão perpétua

Em leitura:

Voz da comunidade uigure arrisca pena de prisão perpétua

Tamanho do texto Aa Aa

Segurança reforçada em Xinjiang, na China, no dia em que Ilham Tohti um intelectual da minoria uigure acusado de separatismo começa a ser julgado.

Em causa estão, entre outros, artigos publicados na internet e as aulas que o catedrático de 44 anos dava na Universidade de Pequim.

A acusação sustenta que o antigo professor de economia liderava uma organização separatista. Um crime punível com pena de prisão perpétua.

“Já expressamos a nossa preocupação com este caso. O trabalho de Tohti sempre respeitou as leis chinesas. O académico procurou promover uma boa relação entre as minorias, defendendo, a igualdade de direitos”, afirma Raphael Droszewski, responsável do departamento de assuntos políticos da missão europeia na China.

A maioria dos uigures vive na província de Xinjiang, no noroeste da China e o julgamento ameaça fazer aumentar a tensão entre a população e as forças de segurança.

O acesso à sala de audiências foi vedado à imprensa e aos diplomatas internacionais.

Conhecido como uma das vozes da comunidade uigure no país, Tohti é encarado por Pequim como uma ameaça.