Última hora

Última hora

Agrava-se a tensão na fronteira entre a Turquia e a Síria

Em leitura:

Agrava-se a tensão na fronteira entre a Turquia e a Síria

Tamanho do texto Aa Aa

Com a cidade curda de Kobani submetida a um intenso ataque dos radicais sunitas da organização Estado Islâmico, continua a aumentar a tensão na fronteira entre a Turquia e a Síria.

Enquanto do lado sírio, os jihadistas da mantêm o cerco à cidade curda de Kobani, as autoridades turcas procuram impedir que curdos turcos e sírios entrem na Síria, para se juntarem à resistência curda que procura defender Kobani.

A poucos quilómetros de Suruc, milhares de curdos forçam as barreiras fronteiriças, enquanto o exército turco tenta travá-los.

Para os curdos, esta atitude das autoridades turcas traduz um apoio claro aos djihadistas.

“Não temos provas de que o governo turco está a apoiar diretamente a organização Estado Islâmico, mas a política e a diplomacia da Turquia têm consistido em isolar a revolução em Kobani”, disse o deputado curdo do Partido Republicano do Povo (CHP),Ertugrul Kürkcu.

As críticas à atuação do governo chovem também do lado da oposição laica turca, que acusa as autoridades de terem permitido que combatentes e armamento tenham chegado aos djihadistas através de território turco.

As acusações de um apoio camuflado aos extremistas sunitas, foram rejeitadas pelo primeiro ministro turco, Ahmet Davutoglu.

“Nós abrimos as nossas fronteiras aos nossos irmãos sírios e recentemente aos nossos irmãos e amigos iraquianos, sem perguntar se são árabes, curdos, yezidis, muçulmanos, cristãos, xiitas ou sunitas”, disse o chefe do governo turco, acrescentando que “vamos continuar a fazer como até agora”.

Com receio de que os jihadistas massacrem a população civil, 150 mil curdos da Síria fugiram na última semana para a Turquia.

O parlamento turco votará no dia 2 de outubro a participação da Turquia nas operações da coligação militar internacional.