Última hora

Última hora

Praga celebra os 25 anos da abertura da Alemanha de Leste

Em leitura:

Praga celebra os 25 anos da abertura da Alemanha de Leste

Tamanho do texto Aa Aa

Celebra-se esta terça-feira, em Praga, um quarto de século sobre a autorização de viajar ali anunciada pelo então governo de Berlim para milhares de refugiados que procuravam escapar à mão de ferro da Alemanha de Leste.

Foi o princípio do fim da antiga República Democrática alemã (RDA) e o início do processo que viria a ter o ponto alto na queda do Muro de Berlim pouco mais de um mês depois e que culminou com a reunificação das duas Alemanhas, em outubro de 1990.


Hans-Dietrich Genscher – à altura, ministro dos Negócios Estrangeiros da então República Democrática da Alemanha – era o porta-palavra do governo de Berlim. O discurso foi programado para acontecer na varanda da embaixada da antiga República Federal da Alemanha (RFA) na então capital da Checoslováquia.

Ansiosos, os alemães de leste que ali procuravam refúgio nem deixaram Genscher acabar o anúncio. O sonho de há muito tornava-se realidade e as emoções tomaram conta do momento, naquela noite de 30 de setembro de 1989. O ministro enviado por Berlim foi abafado em Praga, onde – à imagem de muitas outras embaixadas da RFA na Europa de leste – os refugiados procuravam apoio para conseguir passar para o outro lado do mítico Muro de Berlim em busca de um futuro mais promissor ou simplesmente para se reunirem com familiares e amigos.

Hoje capital da República Checa – que foi, curiosamente e por oposição à reunificação alemã, separada da Eslováquia -, Praga ficou para sempre associada ao início da queda da RDA. O muro de Berlim viria a ser derrubado a 9 de novembro de 1989, um episódio simbólico, mas incontornável da história recente da Europa.