Última hora

Última hora

Prémios Turner: isto é arte?

Em leitura:

Prémios Turner: isto é arte?

Tamanho do texto Aa Aa

A canadiana Ciara Phillips é uma das artistas nomeadas para o prémio Turner. As obras dos quatro finalistas estão em exposição na Galeria Tate Britain em Londres.

O prémio Turner recompensa um artista contemporâneo britânico com menos de 50 anos. As obras escolhidas pelo júri são frequentemente alvo de controvérsia. Todos os anos, o público lança a espinhosa questão: isto é arte?

“São artistas obscuros, não são conhecidos. Nesse aspeto a seleção é muito interessante. Quanto aos materiais com que trabalham, há um artista que trabalha com materiais mais tradicionais, no sentido em que as pessoas esperam ver quadros na parede quando vão uma a galeria. Quanto aos outros, também têm quadros nas paredes mas há novidades, há muitos vídeos. É esta a diferença este ano”, considerou a crítica de Arte Estelle Lovatt.

Tal como a colega canadiana, Duncan Campbell vive e trabalha em Glasgow. O trabalho do artista escocês mistura imagens de arquivo, fotografias, animações e música. A ideia é combinar os factos com a ficção para criar retratos com um lado provocador.

James Richards vive entre Berlim e Londres. Foi nomeado pela obra Rosebud, um vídeo de 13 minutos a preto e branco que inclui fotografias eróticas censuradas retiradas de livros japoneses.

A britânica Tris Vonna-Michell conta histórias através do cruzamento de vários meios audiovisuais e elementos efémeros, num trabalho marcado pelo impasse e pela fragmentação.

O vencedor do prémio Turner será anunciado a 1 de dezembro. As obras podem ser vistas até 4 de janeiro do próximo ano, na Tate Britain em Londres.