Última hora

Última hora

Lampedusa: Um ano depois do naufrágio que matou 500 pessoas tudo continua igual

Em leitura:

Lampedusa: Um ano depois do naufrágio que matou 500 pessoas tudo continua igual

Tamanho do texto Aa Aa

Assinalou-se, esta sexta-feira, o primeiro aniversário, sobre o naufrágio em Lampedusa, Itália, e que matou quase 400 pessoas.

Na cidade italiana estiveram o presidente do Parlamento Europeu, Martin Schulz, as presidentes dos Parlamentos italiano e português e outras altas instâncias italianas.

Durante o evento, a presidente da Assembleia da República Portuguesa, Assunção Esteves, anunciou a realização de um “encontro de alto nível”, em Lisboa, para discutir as questões da imigração e propor medidas às instituições europeias.

A morte de migrantes, africanos, há chegada à Europa, principalmente a Lampedusa é uma constante e a Europa dos 28 não conseguiu pôr, ainda, em prática um plano para acabar com estas tragédias.

A missão, criada por Itália, Mare Nostrum, resgatou, este ano, mais de 144 mil pessoas, o que significa, uma média de 400 migrantes por dia. Uma iniciativa que custa, mensalmente, ao Estado italiano nove milhões de euros.