Última hora

Última hora

Erro da justiça norte-americana corrigido ao fim de 17 anos

Em leitura:

Erro da justiça norte-americana corrigido ao fim de 17 anos

Tamanho do texto Aa Aa

Susan Mellen passou 17 anos na prisão por um crime que, afinal, não cometeu. A norte-americana, atualmente com 59 anos, foi acusada de homicídio e condenada em 1998 a uma pena de prisão perpétua.

Uma decisão revista, agora, por um tribunal de Los Angeles.

“Acredito com base no que li que Mellen está inocente e penso que o sistema de justiça falhou” afirma o juiz Mark Arnold.

Falhas que de acordo com o juiz se estendem à própria defesa da, então, arguida. A única prova contra Mellen – era testemunho de uma pessoa que a justiça conclui, agora, não ser credível.

“Ainda não acredito que estou em liberdade, estou a tremer. Também, não tive um ataque de nervos, mas não paro de chorar” afirma Mellen.

À espera da norte-americana estavam familiares e amigos.

A filha mais nova de Mellen tinha sete anos quando a mãe foi presa.