Última hora

Última hora

Jean Paul Gaultier: Uma carreira às riscas

Em leitura:

Jean Paul Gaultier: Uma carreira às riscas

Tamanho do texto Aa Aa

A mariniére, pronta a vestir, de Jean Paul Gaultier conta com 38 riscas, desenhadas numa passerelle horizontal. Com a icónica camisola à marinheiro, o estilista deixou um aviso à navegação. Depois de 38 anos a acenar no final dos desfiles chegou a altura de dizer adeus, ao prêt-à-porter. Uma despedida sentida, em Paris, na apresentação das coleções primavera/verão 2015. O estilista abre a cortina do cinema Le Grand Rex e deixa cair o pano, por cima das manequins. Um espetáculo de variedades, onde os anos 80 piscam a pálpebra azul à laca dos anos 90. Onde o kitsch aperta a mão ao fixe. Inimigo dos estereótipos, melhor amigo da mulher e amante da criatividade. Seja bem-vindo à despedida de Jean Paul Gaultier, o grande coração do métier. O grande senhor que deixa o pronto a vestir, mas que, por amor à camisola de marinheiro, vai continuar em alta. Em alta costura.


Gaultier faz uma vénia às mulheres, às quais conhece o corpo, as medidas e as manias. Dá uma faixa de Miss a todas as que desfilam, a quem se senta a assistir e aos que pagam para ver. Neste espetáculo de variedades não há nada a provar e tudo para celebrar. Setenta e oito coordenados recordam uma carreira que não vai em modas. O criador dá corda aos pedais e faz a Tour de France, com todos os que o ajudaram a desenhar a trigésima oitava risca na camisola. Neste espetáculo de variedades, a Miss Meteo muda de humor conforme o tempo. À passagem da Miss Wag, o bling bling reflete-se na aliança de casamento das mulheres dos jogadores de futebol. A Miss Vintage brinda às rugas, com um copo de vinho amadurecido e deixa-se pairar acima das videiras. A Miss Smoking aparece de fato preto e com um cigarro aceso na boquilha, a calar a boca às chamas da indústria. A Miss Lucha Libre chega a partir tudo, antes da eleição da Miss Jean Paul Gaultier. A Miss eleita foi a modelo Coco Rocha. O Mister pode, muito bem, ser você.

  • Miss France. Graça, jeito e faixas ao peito. A eleição da Miss França. Rossy de Palma, a musa espanhola de Pedro Almodóvar, abre caminho e mostra como se faz. Vestiu o corpete de “Madame de Palmay”, numa ampla homenagem a Geneviève de Fontenay, incontornável coordenadora do concurso Miss France, e ao seu chapéu de abas largas.

  • Miss Tour de France. Uma viagem, de duas rodas, pelas paisagens da era dos logótipos. Vestidas para passar das marcas, com a camisola amarela.

  • A Miss Meteo vibra conforme o estado do tempo e vai no sopro do vento. Hoje com um biquini amarelo e dois girassóis na mão. Amanhã, com um chapéu de chuva aberto e um par de galochas que choram ao som da chuva.

  • ​Miss Redactrice de Mode. Jean Paul Gaultier prestou homenagem às figuras fortes da crítica de moda. Grace Coddington, da Vogue norte americana, ficou com os cabelos ruivos, frisados, em pé. As manequins também vestiram o estilo de Franca Sozzani, Suzy Menkes, Carine Roitfeld, Babeth Djian e da editora Emmanuelle Alt, da Vogue Paris.

  • ​Miss Wag (“Wives and Girlfriends”, mulheres e namoradas dos jogadores de futebol) Mulheres dos jogadores de futebol, rainhas dos penáltis e do bling. A Miss Wag entrou, na grande área, abrilhantada com strass e com a bola de futebol no saco. A super modelo Karlie Kloss encarnou o espírito Wag e deu o Swag.

  • ​Miss Vintage. A beleza do envelhecimento com o selo de qualidade “Vintage”. No universo de Jean Paul Gaultier as rugas não são passadas a ferro, antes dos desfiles. Catherine Loewe, de 56 anos, foi uma das modelos a desfilar de negro, ao som da canção “La vie en rose”. Uma passagem tocante, com um silêncio de palmas e de olhos brilhantes.

  • ​Miss Smoking. Lapelas de cetim e modelos de híbridos que unem o vestido ao casaco. E o intemporal Smoking ao poder.

  • Miss Lucha Libre. De máscara ou de capa. As rainhas da luta diária, com pulsos de ferro. Entraram prontas para tudo. Para o dia e para a noite.

Um espetáculo que marcou o fim de uma era, na moda do pronto a vestir. O último desfile de Jean Paul Gaultier, para quem a imagem da moda não é um cabide pendurado e tem sempre alguém dentro, alguém em reação. Reações históricas, agora penduradas em cabides, nos arquivos da marca. Começou em 1976 e criou uma atmosfera própria. Shows onde a diversão dança ao som da seleção musical. Sempre quis que fosse a personalidade a contar a história. Sempre interpretou as correntes sociais, elevando-as a um expoente criativo. Um talento de olhos e riscas azuis. Um talento amarrado ao mundo da moda, com nó de marinheiro.


Uma alma de artista e uma aura feita à mão, com tecidos nobres. Para muitos, a personificação da boa pessoa, da boa energia e da simpatia. Os sorrisos eram os acessórios mais vistosos em cada desfile. Jean Paul Gaultier, transformava cadeiras de pernas cruzadas em aplausos de pé. Partiu preconceitos com o martelo da justiça e acompanhou rugas, preferências sexuais e curvas voluptuosas até ao pódio. Fez-nos pensar. E rir. Vai continuar comprometido com o espírito dos desfiles de alta costura, que exigem mais criatividade na investigação. Diz que talvez vá fazer coleções cápsula, mais acessíveis, figurinos para teatro, concertos ou decoração. “Vai dar-me mais tempo para fazer outras coisas. Não podia parar e não fazer nada. Se assim fosse, só podia estar louco. Podia morrer.” Este capitão despiu a camisola mariniére e amarrou-a às velas do navio “Haute-Couture”. Este capitão não abandona o barco. Palavra de marinheiro.


patriciatavares.pt
Patricia Tavares@facebook


A tripla Mode-F concebe bandas sonoras para desfiles de moda em Paris, Milão, Londres e Nova Iorque. Playlist do desfile, pelos estilistas do som, Nano de Clausel, Laurent Ballot e Alexander Maxwell:

Jean-Claude Petit – Champs Elysees
Prince – 1999
RuPaul – Supermodel You Better Work
Kraftwerk – Tour De France
Yvette Horner et son orchestre – le vol du bourdon
Yves Montand – A bicyclette
Jane Birkin – La Gadoue
Brigitte Bardot – Nue au soleil
Madonna – Vogue
Spice Girls – Who Do You Think You Are
Grace Jones – La vie en rose
Iggy Pop – Nightclubbing
Survivor – Eye of the tiger
Prince The Revolution Kiss [MODE-F remix]
Chic – I want your love Dimitri from Paris remix