Última hora

Última hora

Navio Fantasma atracado na Ópera de Lyon

Em leitura:

Navio Fantasma atracado na Ópera de Lyon

Tamanho do texto Aa Aa

“O Navio Fantasma”, uma obra de Wagner, de 1943, na Ópera de Lyon. Em 1839, Wagner embarca de Riga para Paris. Nessa viagem de barco, sobreviveu a uma violenta tempestade que inspirou esta ópera.

Álex Ollé situou a história num porto do Bangladesh, o porto de Chittagong, um dos mais poluídos do mundo, conhecido como o inferno na Terra: “Há um elemento de fantasia que, de alguma forma, evoca um drama ligado ao tempo do Romantismo. Quis tornar esta obra contemporânea e transportá-la para os dias de hoje. Acho que criámos um forte universo visual a partir da música. O prólogo, por exemplo, tem dez minutos, onde criámos um espaço quase virtual com projeções em 3D, com o navio no mar, a partir de um suporte que é o próprio cenário. Algo que gera imagens muito poderosas. Creio que é uma música muito cinematográfica. É uma música que permite que o espetador se deixe levar…”

No terceiro ato, o coro surge de forma magistral. As vozes personificam os temas principais deste drama: o comportamento errante, a maldição, a morte e a redenção.

“A ópera está a passar por um momento muito importante, a aproximar-se de um novo público. Até agora, era considerado um espetáculo burguês, para entendidos. Mas com propostas como a nossa, a Ópera abre-se a outros públicos. Por exemplo, é um teatro que mostra que a média de idades do público de Lyon é de 40 anos. Ou seja, são pessoas relativamente jovens”, conclui Álex Ollé.

Kazushi Ono conduz a orquestra. Magdalena Anna Hofmann e Simon Neal são os protagonistas do “Navio Fantasma”, atracado na Ópera de Lyon, até 26 de outubro.