Última hora

Última hora

O regresso de Bryn Terfel às raízes

Em leitura:

O regresso de Bryn Terfel às raízes

Tamanho do texto Aa Aa

É um dos mais destacados baixo-barítonos da atualidade. Bryn Terfel regressou ao La Scala, em Milão, com um recital muito pessoal. O cantor galês conduziu o público numa viagem através do repertório do Romantismo e das composições tradicionais das ilhas britânicas. “É uma espécie de viagem nostálgica. Escolhi músicas que foram as primeiras que cantei no conservatório. O meu primeiro professor de canto foi Arthur Reckless. Nos três anos iniciais, ele não me deixava cantar árias de ópera, só canções, porque ele achava que a minha voz ainda não se tinha desenvolvido. Eu era muito novo, talvez muito ingénuo também”, afirma Terfel.

Entre os trabalhos que mais aprofundou encontram-se as obras do compositor inglês John Ireland, que considera “um compositor icónico. Ele escreveu algumas das mais belas canções para baixo-barítonos que nós adoramos interpretar. A ‘Febre do Mar’ é um sinónimo de jovens estudantes – foi a primeira canção que aprendi.”

Terfel tem colaborado frequentemente com o escocês Malcom Martineau, que o acompanha ao piano. Os recitais são um desafio, uma arte de contar estórias através de técnicas muito precisas. Há mesmo quem considere que só é possível entre a elite do canto. Segundo Martineau, “Bryn tem uma grande voz, mas também pode cantar muito suavemente. Ele gosta da intensidade das coisas mais fortes e, ao mesmo tempo, da delicadeza; manobra as palavras e faz com que o público se chegue à frente para ouvir o que ele diz.”

Um dos compositores que Terfel mais aprecia é o génio austríaco Franz Schubert, autor de mais de 600 obras. Muitas delas tiveram como cantor Johann Michael Vogl. Ambos são uma imensa fonte de inspiração. O cantor revela que juntamente com Malcom “fomos a Kremsmünster, Steyr, Salzburgo, Viena, para seguir os passos de Schubert e do seu barítono Michael Vogl, só para ter uma ideia da vida deste magnífico compositor.” O pianista subinha que “Schubert era um génio quando era preciso incarnar o personagem que estava a criar. Eu costumo dizer que ele era o Shakespeare da canção. Ele compreendia as mulheres, os vilões, os virtuosos e conseguia retratá-los a todos.”

Terfel remata da seguinte forma: “Um recital leva-nos de volta ao coração do canto. Um pianista e um cantor sozinhos no palco, sem orquestra, sem coro, sem maquilhagens, sem figurinos. Tudo assenta na canção e na poesia.”

Nesta edição de Musica, pode ouvir excertos das seguintes obras:

Franz Schubert: Para Cantar Sobre as Águas D 774 Grupo do Tártaro D 583 Ladaínha do Dia de Finados D 343

John Ireland: Febre do Mar