Última hora

Última hora

Alemanha: Greve dos pilotos da Lufthansa impacta 200.000 passageiros

Em leitura:

Alemanha: Greve dos pilotos da Lufthansa impacta 200.000 passageiros

Tamanho do texto Aa Aa

Decididamente, as viagens durante as férias escolares alemãs não estão a ser fáceis. Os pilotos da Lufthansa estão em greve, desde as 13 horas (12h em Lisboa) desta segunda-feira, até à meia-noite de terça-feira. Uma paralisação dos aviões que se segue à dos comboios, durante o fim de semana.

Mais de 1500 voos de curto, médio e longo curso foram anulados, durante estes dois dias da oitava greve do ano da companhia aérea alemã.

Mais de 200 mil passageiros vão sofrer as consequências desta greve e alguns, em Frankfurt, por exemplo, começam a perder a paciência.

“Eu também trabalho e deveria regressar de Berlim esta noite. Mas ontem mudámos de planos e vou apanhar um comboio. Vou chegar a Frankfurt por volta das 11 da noite. O dia vai ser bem longo, por isso, a minha simpatia para com os grevistas é limitada”, explica uma passageira.

Opinião partilhada por outro passageiro: “É irritante, é muito irritante. Já perdi a simpatia e não percebo de todo porque é que estas lutas têm ser levadas a cabo à custa dos passageiros.”

Os pilotos exigem a manutenção da pré-reforma aos 55 anos, com 60% do salário, antes de receberem a pensão completa, aos 65 anos. A direção propõe manter essa idade para os atuais funcionários mas aumentá-la para quem venha a ser contratado no futuro.

Quanto à greve dos comboios, ela deve-se à exigência dos maquinistas da Deutsch Bahn de trabalharem menos e ganharem mais. O sindicato GDL reclama uma diminuição do trabalho semanal de 39 para 37 horas e um aumento de salário de 5% para 20.000 funcionários.

A direção da Deutsch Bahn faz um compasso de espera, enquanto aguarda a adoção de uma lei, prevista para novembro, que permitirá às empresas validar um acordo salarial concluído com o sindicato maioritário – o que não é o caso da GDL.

A greve deste fim de semana, a terceira na Deutsch Bahn em duas semanas, durou 50 horas, e paralisou dois terços dos comboios nacionais alemães. O sindicato já fez saber que uma nova greve é possível dentro de uma semana.

Quanto à Lufthansa, os analistas estimam que esta série de oito greves vai reduzir em 80 ou 90 milhões de euros os lucros brutos da Lufthansa, este ano.