Última hora

Última hora

Húngria à espera de explicações sobre sanções de Washington

Em leitura:

Húngria à espera de explicações sobre sanções de Washington

Tamanho do texto Aa Aa

A tensão encontra-se ao rubro entre a Húngria e os Estados Unidos, depois da decisão de Washington de sancionar vários cidadãos húngaros suspeitos de corrupção.

As medidas que incluem a proibição de viagens aos Estados Unidos, visariam seis altos responsáveis húngaros, entre os quais o responsável da direção-geral de impostos do país, segundo a imprensa húngara.

O embaixador interino dos EUA em Budapeste, Andre Goodfriend, precisou esta segunda-feira que, “as medidas visam membros do governo, responsáveis da administração pública e pessoas ligadas ao executivo e é por isso que decidimos notificar as autoridades do país”.

A notificação não precisa para já as pessoas em questão, justificando a medida como um “aviso a Budapeste para retificar políticas que põem em causa valores democráticos”.

Um decreto presidencial de 2004 permite que a administração norte-americana proíba cidadãos estrangeiros, “cuja conduta corrupta ameace os interesses norte-americanos”, de viajar ao território sem a necessidade de apresentar provas que justifiquem a decisão.

Durante uma reunião da Comissão parlamentar de segurança nacional, o chefe de gabinete do primeiro-ministro, mostrou-se surpreendido com a atitude de Washington.

“O governo húngaro não pode esconder a estupefação face a estes acontecimentos, uma vez que esta não é a forma como se abordam questões entre aliados. Esperamos que possamos abordar a questão nas próximas semanas como países amigos e não apenas através da imprensa”, afirmou Lazar Janos.

O ministro dos Negócios Estrangeiros húngaro vai reunir-se esta terça-feira em Washington com a vice-secretária de estado norte-americana para os Assuntos Europeus para tentar obter mais esclarecimentos.

Algumas fontes em Budapeste falam de uma medida de pressão contra a Húngria por ser uma das vozes mais críticas, na Europa, das atuais sanções contra a Rússia.