Última hora

Última hora

Ucrânia: Começaram conversações para formação de coligação pró-ocidental

Em leitura:

Ucrânia: Começaram conversações para formação de coligação pró-ocidental

Tamanho do texto Aa Aa

Na sequência da vitória dos defensores da integração europeia da Ucrânia nas legislativas de domingo, o presidente Petro Poroshenko e o primeiro-ministro Arseniy Yatseniuk tiveram conversações preliminares para a mais que provável formação de governo de coligação.

O Bloco Petro Poroshenko quer uma coligação alargada de partidos pró-ocidentais. “Quero sublinhar que a nossa fórmula é a de que todos os partidos que fizeram parte nos protestos de ‘maidan’ sejam incluídos na coligação. Nomeadamente, o Partido da Liberdade, o Partido da Autoajuda, o Partido da Pátria; todos eles podem entrar nas conversações de coligação que começaram literalmente esta manhã”, anunciou Yuriy Lutsenko, da formação do presidente.

Surpresa foi a conquista do terceiro lugar pelo Partido da Autoajuda, composto por jovens militantes e militares regressados da linha da frente. “As pessoas que vão ter cargos devem ser as melhores nas suas áreas e não amigos e colegas, como costumava ser. Temos que ter uma responsabilidade pessoal direta. Apenas personalidades autossuficientes devem ser nomeadas ministros, com o direito de tomar decisões independentes e depois assumir responsabilidades”, explicou o líder da formação, Andriy Sadovyi.

Bruxelas e Washington saudaram o processo eleitoral e a escolha dos ucranianos. Poroshenko reuniu-se esta segunda-feira com membros do Parlamento Europeu para avaliar o resultado do escrutínio. O presidente tinha uma mensagem. “Peço educadamente para eventualmente acelerarem o processo de ratificação do acordo de associação nos vossos países. Isso seria também um importante gesto de apoio neste período”, disse Poroshenko.

O primeiro-ministro Arseniy Yatseniuk também se encontrou com os deputados europeus.

Moscovo reagiu pela voz do ministro dos Negócios Estrangeiros. Sergei Lavrov afirmou que a Rússia reconhece as eleições e os resultados, apesar do escrutínio não ter decorrido em todo o país.