Última hora

Última hora

ONU: "Janela de ação" está a fechar rapidamente para o Clima

Em leitura:

ONU: "Janela de ação" está a fechar rapidamente para o Clima

Tamanho do texto Aa Aa

Uma zona húmida em Guansu, na China, transformou-se em deserto. É um impacto do aquecimento global, que pode revelar-se noutros locais com a aceleração do aumento da temperatura. Entre 1888 e 2012 aumentou 0,85° C.

As concentrações de gás de efeito estufa na atmosfera atingiram os níveis mais altos dos últimos 800.000 anos.

Os especialistas em Clima da ONU mais uma vez divulgam um relatório alarmante, em Copenhaga:

“Está a acontecer agora, a janela de ação está a fechar muito rapidamente, portanto temos uma pequena janela de oportunidade. Já consumimos uma parte substancial da quantidade total de emissões de carbono, para impedir que o aumento da temperatura não ultrapasse os 2° centígrados.”

Para manter a meta dos 2° C, as emissões mundiais de gás de efeito estufa devem ser reduzidas de 40 a 70%, entre 2010 e 2050, e desaparecer totalmente até 2100, segundo calculam os cientistas.

Portugal é um dos países que começou a renunciar às energias fósseis a favor das energias renováveis. Está no bom caminho, consideram os especialistas, “porque a energia limpa não trava o crescimento”.

Mas os grandes grupos petrolíferos não equacionam, sequer, essa possibilidade.
Em Alberta, no Canadá, prepara-se a construção de um oleoduto que vai atravessar os Estados Unidos, até ao Golfo do México.

Al Reid, porta-voz da Cenovus: “Graças à energia fóssil, criou-se aqui um estilo e qualidade de vida, na América do Norte e na Europa Ocidental, que temos de manter.”

O oleoduto vai atravessar quintas no Nebraska e é o projeto mais controverso dos Estados Unidos, uma “batata quente” lançada para Obama, que tem de assinar. Muitos agricultores recusam a venda das terras.

Meghan e Rick Hammond, recusaram as mais lucrativas ofertas: “A nossa geração cresceu com Kennedy. Queria um mundo melhor para viver e deixar aos filhos. Neste ponto, com o aquecimento global, já só pedimos que seja viável viver.”