Última hora

Última hora

EUA: Manhattan ressurge das cinzas com a abertura da "Torre da liberdade"

Em leitura:

EUA: Manhattan ressurge das cinzas com a abertura da "Torre da liberdade"

Tamanho do texto Aa Aa

O horizonte de Manhattan volta a ter um ponto culminante, no lugar ocupado durante décadas pelas torres gémeas. O One Trade Center, ou torre da liberdade, abriu esta segunda-feira as suas portas aos primeiros inquilinos, treze anos após os atentados de 11 de setembro terem desfigurado o centro de Nova Iorque.

“É um dia fantástico para a baixa de Manhattan, para a cidade de Nova Iorque e um dia absolutamente maravilhoso para a Condé Nast”, afirmou o presidente da editora, a primeira empresa a ocupar os escritórios do edifício.

Depois de oito anos de trabalhos que se elevaram a mais de 3.100 milhões de euros, a abertura do edifício representa uma nova fase na reabilitação do centro de Manhattan, após a abertura, em maio, do museu do 11 de setembro e num momento em que duas outras torres se encontram ainda em construção.

A torre de 542 metros de altura, é o maior arranha-céus dos Estados Unidos. A altura em pés – 1776 – corresponde ao ano da declaração de independência do país.

Uma torre que é um “símbolo de resistência”, para o governador de Nova Iorque, Andrew Cuomo, que sublinhou, num comunicado, “quando abrimos as suas portas pela primeira vez, recordamos que a força e o valor venceram a debilidade e a cobardia”.