Última hora

Última hora

Baiji: A longa batalha pela maior refinaria de petróleo do Iraque

Em leitura:

Baiji: A longa batalha pela maior refinaria de petróleo do Iraque

Tamanho do texto Aa Aa

Desde junho, não há tréguas na guerra por Baiji, no Iraque, onde está a maior refinaria de petróleo do país.

A meio caminho entre Bagdade e Mossul, a região é palco de combates ininterruptos entre as forças iraquianas – apoiadas pela coligação internacional liderada pelos Estados Unidos – e os sunitas radicais do grupo Estado Islâmico, que tomaram a cidade e cercam a refinaria.

Noutra frente de batalha contra os extremistas, mais de 600 km a noroeste de Baiji, na Síria, os curdos continuam a defender Kobani, a pequena mas estratégica cidade junto à fronteira com a Turquia, país que recebeu a visita do novo ministro dos Negócios Estrangeiros do Iraque.

Ancara prometeu ajudar Bagdade, mas o chefe da diplomacia turca avisa que “combater grupos extremistas, sem descobrir a causa do extremismo e a forma de o destruir, pode ser um engano”.

Em Erbil, no Curdistão iraquiano, foi bem recebida a notícia que o Reino Unido vai enviar mais militares para treinar os ‘peshmerga’ e as forças iraquianas, que lutam contra a barbárie do Estado Islâmico.

Ainda para reforçar o combate aos extremistas, Barack Obama vai pedir ao Congresso para alargar o âmbito da Autorização para o Uso da Força Militar (AUMF), criada após o 11 de setembro. O Presidente dos Estados Unidos quer adaptar, “à luta atual”, a lei que permite atacar redes terroristas fora dos Estados Unidos.